Alerta Final

Visite a página no face book geziel.costa

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

A PRIMEIRA E A SEGUNDA RESSURREIÇÃO


A primeira ressurreição. Começou com os santos que ressuscitaram depois da ressurreição de Cristo. Divide-se em três fases distinta sendo a primeira a ressurreição de Cristo e de muitos santos do AT identificados como as primícias dos mortos. Jesus e os santos ressurretos depois dele, simbolizam o primeiro molho de trigo colhido em Israel nos tempos do AT (Lv 23.10-12; 1Co 15.23). “Os sepulcros se abriram, e os corpos de muitos santos que tinham morrido foram ressuscitados. E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos” (Mt 27:52-53).

E Continua a outra fase ainda na primeira ressurreição por ocasião do arrebatamento da igreja estes mortos são os que morreram em Cristo, desde a época da fundação da Igreja por Cristo, até perto do arrebatamento da igreja. “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor” (1 Tss 4:16-17).

A terceira fase da primeira ressurreição são os mortos durante o período da Grande Tribulação, estes são chamados de mártires da Grande Tribulação. São considerados os restolhos da colheita, ou em outras palavras as espigas da colheita (Ap 6.9-11; 7.9-17; 14.1-5; 20.4,5). Estes morrerão durante a grande tribulação sem aceitar adorar a besta, mas ressuscitarão para entrarem no milênio.E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos. Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição” (Ap 20:4-5).

A segunda ressurreição. Tem um espaço enorme entre a primeira, apesar de Daniel colocar como se fossem simultâneas. “E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno” (Dn 12:2). Mas a segunda ressurreição ocorrerá depois do milênio. “Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram”. Esta é a primeira ressurreição (Ap 20:5).

Estes outros mortos são os ímpios que ressuscitarão para vergonha e desprezo eterno, ressurgirão para o julgamento no trono branco. A própria Bíblia enfatiza que a primeira ressurreição é para o bem aventurado, os santos que reinarão com Cristo no milênio. Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos” (Ap 20:6).

Apesar dos textos citados acima com clareza de distinção na ressurreição entre ímpios e justos, muitos teólogos têm um interpretação diferente. Muitos teólogos arminianos e reformados creem numa ressurreição simultânea. Vale ressaltar que tais teólogos não interpretam literalmente o texto, nem são pré-milenistas, havendo assim divergência de interpretações.

Mas existem outros textos da Bíblia, que denota a diferença de ressurreição entre ímpios e justos. Lucas 20: 35-36, Marcos 12:25, Apocalipse 20: 5-6, Atos 4: 1-2 e Filipenses 3:11. Nestes textos a palavra ressurreição vem seguida de dentre os mortos, mostrando a separação entre a ressurreição dos justos que e chamada de primeira ressurreição, e a dos ímpios chamada de segunda ressurreição.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Gilberto Carvalho pede perdão à bancada evangélica

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Sen. Magno Malta, PR/ES, faz críticas a ministro por declarações durante Fórum Social


Senador evangélico Magno Malta (ES), líder do PR, indignou-se com a postura do Ministro e ex-seminarista Gilberto Carvalho, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República. Trouxe à tona a fala e o comportamento do ministro durante Fórum Social. Malta se irritou com a duplicidade de caráter do ministro e a política dupla do mesmo.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

A TRANSFORMAÇÃO DO CORPO


Nosso corpo será o mesmo, porém transformado e glorificado conforme o corpo de Cristo. “Pelo poder que o capacita a colocar todas as coisas debaixo do seu domínio, ele transformará os nossos corpos humilhados, para serem semelhantes ao seu corpo glorioso” (Fl 3:21).

Cristo depois do corpo transformado não estava mais limitado às barreiras físicas nem à lei da gravidade. Ele entrou na sala onde os discípulos estavam a portas fechadas, (Jo 20.26) desaparecia de um lugar e aparecia em outro sem precisar de transporte. O corpo transformado é diferente e ilimitado quanto às questões físicas. O corpo de Jesus era diferente depois da ressurreição, as portas fechadas não impediam a entrada dele, aparecia e desaparecia quando quisessem o que Paulo chamou de corpo transformado e glorificado.

Não importa de que maneira os corpos foram sepultados, se nos mares, queimados, na cova etc. Mas estes mesmos corpos serão ressuscitados e transformados.Os teus mortos e também o meu cadáver viverão e ressuscitarão; despertai e exultai, os que habitais no pó, porque o teu orvalho será como o orvalho das ervas, e a terra lançará de si os mortos” (Is 26.19).

O corpo dos ímpios da mesma maneira será recomposto as partículas físicas e transformados em corpos espirituais, mas sem a devida glória. As almas e os espíritos se unirão aos corpos dos ímpios para o julgamento (Ap 20.12; Dn 12.2). Os mortos em Cristo estão no lugar de descanso mais sem a glória dos corpos, e os ímpios estão no lugar de sofrimento sem a totalidade de seus corpos. Ambos terão corpos transformados, uns para a glória e alegria eterna (justos) e outros receberão corpos transformados para o sofrimento eterno.

Há quem diga que nosso corpo não será material transformado, apenas corpo espiritual. A ressurreição de Cristo é uma demonstração de como será nosso corpo. Jesus convidou os discípulos a examinar o seu corpo: Depois disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente” (Jo 20:27).

Jesus comeu naturalmente peixe “Então eles apresentaram-lhe parte de um peixe assado, e um favo de mel; O que ele tomou, e comeu diante deles” (Lc 24:42-43) e ainda falou que seu corpo era constituído de carne e osso, e explicou que um espírito não tem carne e osso “Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho” (Lc 24:39).