Alerta Final

Visite a página no face book geziel.costa

domingo, 8 de janeiro de 2012

A RESSURREIÇÃO DE JESUS É A NOSSA ESPERANÇA (Parte 2)


Sobre a história da ressurreição podemos citar três aspectos que a transformam em um grande valor para se tornar conhecido:

1º Desde o início da Igreja o fato da ressurreição já era conhecido.

2º A incredulidade dos discípulos a este acontecimento torna impossível a criação deste fato por eles. Somam-se a isto os valores éticos e o sistema da época em que viviam.

3º Nenhuma explicação coberta de razões foi encontrada para o fato de o sepulcro ser encontrado vazio.

Podemos concluir com estes três aspectos que a ressurreição é algo que não pode ser negado historicamente. As evidências são fortes demais para não notarmos que alguma coisa aconteceu. Assim como os primeiros cristãos experimentaram esta maravilha, os cristãos atuais podem testemunhar da presença viva e real e que Jesus nasceu, viveu, morreu, mas ao terceiro dia ressuscitou.

Notas importantes no Novo Testamento sobre como os cristãos primitivos faziam a interpretação da ressurreição de Jesus.

Segundo o historiador do livro de Atos dos apóstolos, com a descida do Espírito Santo no dia de Pentecostes deu-se o início da pregação cristã. Jesus é ressuscitado por Deus, afirma Pedro em sua primeira pregação (At 2.24). Nesse momento o conceito teológico de Jesus ter ressurgido é enfatizado. Assim a ressurreição mostra que tudo o que Jesus fez e falou teve a aprovação de Deus. E as profecias que falaram a respeito do Messias tiveram neste momento o seu cumprimento mostrando que Deus não é homem para que minta. E que tudo aquilo que aconteceu já havia sido predito milhares de anos antes pelos profetas.

Também podemos ver na primeira pregação de Pedro uma importante colocação: Os grilhões da morte são rompidos na ressurreição; A morte não podia neutralizar Jesus. Por isto foi proclamado como o Vitorioso que venceu a morte para todo o sempre. A vitória não consiste em apenas voltar dos mortos. Desde o Antigo Testamento muitas pessoas voltaram a viver mais na seqüência morreram novamente. Lázaro também voltou dos mortos bem como a filha de Jairo, e ambos voltaram à tumba. Mas a vitória de Jesus sobre o poder da morte é eternamente. Esta é o último inimigo que representa todas as forças do mal. Esta concepção é o fundamento de toda a fé cristã. (1º Co 15.20).

Nos tempos de Jesus havia grandes discussões quanto à existência da ressurreição dos mortos. Esta idéia tinha a apologia dos fariseus enquanto que era rejeitada pelos saduceus. A esperança da ressurreição para os cristãos não parte de convicções ou especulações antropológicas de que existe algo no ser humano que é imortal. A fé cristã é fundamentada somente na ressurreição de Jesus Cristo. Também aqueles que são seus seguidores fiéis receberão esta dádiva de Deus no dia em que o Senhor voltar para arrebatar seu povo. Receberão um corpo glorioso e apto para viver eternamente nas moradas celestiais.

É visto diferentes tendências na História da teologia em relação à ressurreição de Jesus. O lado histórico é marcado por alguns que querem cientificamente mostrar provas em relação à facticidade da ressurreição. A argumentação que usam para defender isto dentro da história é que só há sentido falar da ressurreição e da cruz como fatos históricos se a realidade destes fatos fosse verificada pelos próprios historiadores.

De outra maneira, existem outros teólogos que falam que não há importância alguma na historicidade. O que tem valor é o aqui e agora. Para os que vão mais adiante têm a concepção do sepulcro vazio apenas como um simbolismo. Acreditam que não traria mudança nenhuma se fosse encontrado o túmulo real de Cristo com o seu cadáver. A ressurreição continuaria para aqueles que possuem a fé.

Focalizadas apenas por um ângulo as duas tendências implicam problemas. Mais do que uma discussão atinente a realidade de fatos históricos é o anúncio da ressurreição de Jesus Cristo. Ele surge da sua presença pela experiência em nosso mundo real aqui e agora. Por outro lado, a mensagem de que Jesus morreu e ressuscitou é muito mais do que apenas uma interpretação simbólica da cruz.

A interpretação que devemos ter em relação à ressurreição de nosso Senhor é que esta última jamais poderá ser totalmente compreendida pela mente humana. Os escritores dos Evangelhos interpretaram este acontecimento como um milagre divino. Com isto, a ressurreição é uma realidade que vai além das nossas interpretações e reflexões, com uma profundidade muito maior em sua essência que os nossos raciocínios não têm condições de decifrar.

O sepulcro foi o lugar onde se deu início à ressurreição. No lugar de eterna destruição brota a vida nova e sem fim. Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância é a promessa que se cumpre através da ressurreição. Quem se alimenta desta promessa é a esperança bem como também a prática da caridade para transformar e aliviar.

Um novo futuro para o homem em toda a sua maneira de viver agora é visto através da ressurreição, que é uma poderosa ação de Deus na vida do homem.

Todas as pessoas se questionam como será a vida após a morte. Todos os cristãos são interrogados sobre suas convicções em relação à ressurreição dos mortos por pessoas de outras religiões que pensam diferentes a este respeito. Muitos não crêem em qualquer possibilidade de a vida continuar após a morte. Outros acreditam que mesmo após a morte a vida continua em uma dimensão espiritual. Porém outros afirmam que com a morte tudo se acaba e a esperança de se viver no porvir não passa de uma ilusão.

A resposta para tudo isto podemos encontrar nos testemunhos da bíblia Sagrada à morte e a vida eterna. A fé que os cristãos primitivos professavam sobre a ressurreição dos mortos nos mostra claramente a maneira como encaravam a morte.

É grande o conhecimento entre os cristãos sobre a composição do ser humano como físico através do corpo e espiritual através da alma. A igreja teve forte influencia dos filósofos gregos ao não dar uma posição positiva para o corpo. Por ser material e limitado era considerado como um cárcere para a alma que seria liberta e imortal quando chegasse à morte. Daí o desejo e a espera pela morte onde a libertação da alma traria uma vida mais serena e sem fim.

Os ensinamentos destes filósofos são idéias errôneas para os ensinamentos bíblicos sobre o Homem. Observamos no começo da criação que tudo o que Deus criou viu que era bom. Nisto é incluído o corpo humano que também é uma obra de Deus e não uma prisão para a vida. O apóstolo interroga: Ou não sabeis vós que o vosso corpo é templo e morada do Espírito Santo o qual está selado para o dia da redenção?

Na experiência natural que possuímos sabemos que a morte é algo certo que sobrevirá a todos. Todo o ser vivente expirará um dia. Por mais longa que seja a vida um dia ela chegará ao fim. Mas a bíblia nos faz entender que a morte não leva ninguém ao vazio da existência e que nada nos separará do amor de Deus.

A angústia da morte com seu terror tenebroso já foram derrotados pela vida na ressurreição de Jesus Cristo. A esperança de todos os que morreram em Cristo é a vitória de Jesus sobre a morte em sua ressurreição.

Alguns estudiosos da bíblia afirmam que na morte de cada pessoa inicia-se a ressurreição. Todas as noções materiais que usamos para saber da nossa existência e do espaço que usamos não são úteis para a eternidade quando morremos. Assim, o dia da morte é o derradeiro dia começando então a eternidade. Aqueles que morreram em Cristo encontrarão o Deus todo poderoso. Neste termo não fica fácil não saber o que o Novo Testamento diz a respeito do tempo da ressurreição dos mortos ímpios. Os textos do Novo Testamento parecem concordar que no último dia haverá a ressurreição dos ímpios, ou seja, no Juízo Final, quando todos serão julgados por Deus segundo os seus atos enquanto viviam.

Não é sobre o corpo que se tem a vitória na ressurreição. A vitória é sobre a morte. O ser humano só tem existência na sua corporalidade porque é um todo. É exatamente por isto que divulgamos a nossa convicção na ressurreição do corpo. Nós não somos nós mesmos sem um corpo. O fim da velha existência é a morte! Tudo o que sobrevirá depois será nova criação de Deus. Contudo a morte não poderá nos separar de Deus, pois o Espírito Santo nos transforma enquanto vivemos.

Não somos tirados de Deus quando morremos, mas passamos a dormir no Senhor à espera da ressurreição quando seremos transformados em uma nova criação. Assim teremos um corpo celeste e glorioso que jamais terá fim. Teremos segurança eterna sabendo que a morte não mais nos atingirá. É um grande conforto para nós sabermos que quando chegar o dia de nossa partida não seremos lançados em um vazio, sem esperança alguma de voltar a viver. Mas por sermos fiéis a Deus seremos levados por ele para as mansões celestiais para viver eternamente com ele. Lá não haverá pranto, tristeza e nem dor. E toda a lágrima será enxugada pelo cordeiro que nos deu vida eterna. E nos livrou para todo o sempre das garras do pecado e da morte.

2 comentários:

Antonio Batalha disse...

Seu blog é uma bênção, li algumas coisas, e dou graças pela Graça derramada sobre si, que a cada dia continue a ser esta bênção.Aquilo que escreve seja como pão para o faminto, e água para o cansado.E que cada irmão ao ler suas mensagens seja edificado, exortado no amor derramado no seu coração, a sua alegria, paz e graça, cresçam de maneira a transbordar seu cálice, e atingir os corações.Aproveito a fazer-lhe um convite: Gostaria que fizesse parte dos meus amigos virtuais em meu blog A Verdade Que Liberta. Deixo as minhas cordiais saudações em Cristo Jesus.

Geziel Silva Costa disse...

Olá Antônio

Obrigado pela visita e as boas palavras de incentivo.
O seu blog também é uma maravilha de Deus, por isso eu já sou seguidor dele.

Abraços