Alerta Final

Visite a página no face book geziel.costa

domingo, 15 de novembro de 2009

Oração pelas chaves (parte lll)



Volto ao assunto da oração pelas chaves. Alguns motivos me impulsionam a escrever novamente. Quando emitimos opinião, que podem ir de encontro com aquilo que é aceito em nosso meio evangélico, somos taxados de contrários. Pode ser algo que é aceito sem uma análise, sem um questionamento, sem nenhuma ponderação, algo que a maioria do povão acha normal. Simplesmente por contrariar o sistema, o ministério, ou seja, quem for o defensor de qualquer modismo, a nossa opinião é tida como, alguém que é contrário às BENÇÃOS de Deus e ao ministério. Não sabem aceitar como uma opinião.



Deus criou os humanos passíveis de questionamentos, críticas, opiniões e visão diversas. Por discordarmos de algo, não significa que estamos contra Deus, o pastor o ministério seja lá quem for. Têm-se uma compreensão diferenciada, não significa que queremos mudar a liturgia, os costumes ou os modismos de quem aderiu a eles. Mas sim levar as pessoas a analisarem, refletirem e decidirem por si mesmo.



Uma das atitudes que exigem mais determinação e segurança da parte de quem a pratica é aquela que não faz parte do senso comum. Ser alguém que, mesmo sozinho, se mantém firme em suas convicções exige estar bem consigo mesmo. Se essas convicções dizem respeito à prática da fé, só consegue ter essa atitude determinada quem está bem com seu Criador e se dispõe a seguir os padrões que Ele determinou. Principalmente se, para manter suas convicções, a pessoa corra riscos ou precise enfrentar situações difíceis, como discriminação, opressão, perseguição, coerção etc.



Orar por chaves. Já escrevi em outro texto, que chave é um objeto inanimado. Podem dizer: É força de expressão! Tudo bem, então porque não chamamos o dono das chaves e fazemos uma oração específica por ele? E porque oramos apenas por chaves de carro, casa, moto e nada mais? Porque não oramos pela carteira de motorista, diplomas, documentos etc.? Um jovem ganhou uma bicicleta com cadeado, e disse que iria levar as chaves do cadeado para orarem por elas. Alguém repreendeu dizendo: Que absurdo! Se fosse pelo menos uma moto, mas uma bicicleta, que vergonha! Chaves de cadeado, certificados etc., não é algo que trás ambição, o povo não quer isso, não estimula a fé de ninguém.



Apenas uma vez vi um Cabo que foi promovido a Sargento, ele levou sua faixa de sargento que iria usar na farda, e pediu que orassem por ela. Ninguém ligou, não houve o grito de guerra. De quem será a próxima? Afinal, nem todos podem ser sargentos, só os poucos cabos que estavam presentes no culto ficaram motivados. É interessante o grito de guerra para a aquisição de chaves. De quem será a próxima? Minha! O povão clama. E quando chega a próxima vez, nem sempre é de quem gritou. Lembro que em uma ocasião, perguntou de quem era a próxima chave a ser orada e apresentada, todos disseram: Minha! E não foi de ninguém, mas de alguém que não era cristão. Ele trouxe as chaves para receberem oração, mas ele mesmo não quis oração para salvação.



Lembro ainda que em outra ocasião quando falaram o grito de guerra. É Minha! Não foi de ninguém a próxima chave, mas minha, do meu carro, e eu nem havia gritado. Apesar de alguém ter dito antes que eu não tinha carro por ser crítico, por isso Deus não me abençoava, recebi as chaves de um carro. E eu não disse que a próxima era a minha. Porque será que o povão não recebeu? Alguém pode culpar eles mesmo. Falta de fé! Ás vezes não tomamos uma posição, com medo da retaliação da maioria. Ficamos pensando: Se ensinarmos corretamente povo pode fechar a mão, vamos deixar pra lá, não tem nada a ver! Precisamos tomar atitude de ensinar aquilo que é correto.



Acredito que estas coisas têm que acontecer, não conseguiremos evitar os modismos, a febre da prosperidade financeira, culto de milagres específicos, guerra espiritual e outras heresias. Isso só terá que se alastrar a cada dia. Quando criticamos, ensinamos, não significa que queremos extinguir isso da igreja, até porque não tem reversão. Mas a idéia é salvar alguns... Hoje na opinião da maioria, para identificar uma igreja abençoada é só olhar para o estacionamento.
Se tiverem muitos carros, e de preferência novo, está ai uma igreja abençoada. E a maturidade espiritual? As características de uma vida cristã? E o fruto do Espírito? Isso diante da prosperidade e vitória financeira, não é tão relevante, deixemos isso por último. Vamos construir fazer campanhas, arrecadar, aumentar as entradas, e depois se houver tempo, evangelizar, visitar, orar, discipular etc. Mas lembre-se, se houver tempo. Nem para ler a Bíblia temos tempo, afinal os textos que falam de riquezas e bênçãos materias já estão todos grifados mesmos é só ler e pronto.

10 comentários:

Valdeci do Carmo disse...

Nobre amigo Geziel, seus textos são esclarecedores para aqueles que desejam dar atenção à palavra do Senhor, outros porém, não estão nem ai para o que a Bíblia diz. Esse dito tal que gosta de orar por chave vendeu semente de caju em um determinado lugar por mil reais dividos em 5 parcelas, no entanto os que comprarm a semente dos que eu conheço nãovi ninguém ser abençoado. Pelo contrário teve um que acabou por fechar o seu estabelecimento comercial. Até quando iremos ver pessoas enganandos e outros serem enganadosem nosso meio? Não existe o desejo coletivo em aprender, estamos inovando tanto os nossos cultos para manter a "clientela" que no fim acabará trazendo o esvaziamento das igrejas por decepções de promessas não cumpridas...Um grande abraço que O Senhor lhe abençoe ricamente.

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Prezamado Gesiel Silva Costa,

A paz do Senhor!

Verdade meu irmão. Não conseguiremos parar com os modismos, mas podemos evitar que paremos com as denúncias, e que prossigamos em frente com a característa essencial, aos que defendem o Evangelho da Verdade, ou seja, a certeza de que é nossa missão e dever fazer valer a verdade bíblica e tentar salvar a muitos que cegamente caminham para o abismo.

Vá em frente e tome o seu tempo, com vigor e sinta-se servo, e necessário a causa da igreja.

O Senhor seja contigo em sabedoria e conhecimento!

pr. Newton Carpintero Servo
www.pastornewton.com
www.editoresapologeticos.com

Geziel Silva Costa disse...

Valdecir,

É sempre bom ter companheiros como você, estudioso da palavra, de posição e de coragem. Os modismos hoje na igreja, é como Hank Kenegraaff escreveu. "Cristianismo em crise". E é inevitável, mas nem por isso vamos cruzar os braços.

Em frente amigo!
Grande abraço

Geziel Silva Costa disse...

pr. Newton Carpintero

É sempre uma honra receber sua visita, mais ainda com estas palavras maravilhosas.

Minha tristeza é ver muitos enveredando-se por caminhos que não são condizentes com a Bíblia, e não podemos fazer muito.

Mas unindo as forças, com servos de Deus como o Sr, podemos contribuir mais para o reino.

Grande abraço
Na paz
Geziel

Jéssica Queiroz disse...

Olá muito bom esses seus estudos que esclarecem.. tem muito valor!!

abç

Geziel Silva Costa disse...

Jéssica

Apesar de o valor da apologia ser ignorado por muitos, é necessário, urgente, bíblico e esclarecedor como disse.

Grande abraço
Na paz
Geziel

Anônimo disse...

O que estamos vendo hoje acontecer no Brasil.É a mema estratégia usada por satanás, para varrer a chama pentecostal da América e da Europa,a falsa teologia da prosperidade,onde o material é mais valorizado,e o espiritual é deixado para depois,a onda do consumismo ,da concorrencia pra ver quem pode comprar isso ou aquilo,se você não pode,se você não tem condição tem alguma coisa errada,ou você não esta bem com DEUS ,ou você esta em pecado,a oraçao pelas chaves é apenas uma estrategia de marketim para aumentar de forma anti-biblica a arrecadação da igreja,levando os crentes a negociarem com DEUS,TOMA LÁ E DA CÁ, precisamos combater esses movimentos com o poder da palavra.

Abney San Marin de Souza

Ricardo Mamedes disse...

Caro amigo e irmão,

Nesse mundo "gospel" a graça vem perdendo a sua utilidade. Cristo? Apenas o dono das benesses. A teologia da prosperidade eleva mamon e elimina o Deus único. O que vale efetivamente é a busca de riquezas materiais - que a traça e a ferrugem corroem. As riquezas espirituais, os frutos do espírito são relegados a segundo plano.

Esses tais querem apenas o beneplácito de Deus, mas não a sua justiça. Todavia eles se esquecem da sua ira... e terrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo!

Em Cristo.

Ricardo

Geziel Silva Costa disse...

Ricardo

A paz!
A valorização da matéria é quase que geral. O "ser" o "Ter" está no coração das pessoas.

Querem a BENÇÃO, sem o abençoador, e nem se fala nas regras, obediência e todo um composto que a Bíblia apresenta.

Na paz

M L R - Conduzindo Vidas ao Amor de Deus disse...

Meu caro amigo Geziel, Graça e paz! Parabéns por sua matéria. Se não fosse os oportunistas é muito provável que os convencidos pelos homens já teriam se convertidos a Jesus e tornado verdadeiros pastores, uma pergunta me vem a mente; será que nosso dízimo espiritual não agradaria mais a Deus? Verdadeiros pastores são aqueles que dão a vida pelas ovelhas se preciso for, mas como pode os glutões da Lã da ovelhas, darão a vida por elas? Sou defensor do dízimo espiritual, pois esse não pode ser manipulado e até faz sair água da rocha!!! Jesus sacia a sede dos que possuem coração sincero. Sigamos nessa força! Forte abraço...