Alerta Final

Visite a página no face book geziel.costa

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Pr Silas Malafaia e ex-deputada Iara Bernades no Programa do Ratinho


O pastor Silas Malafaia, participou de um debate no programa do Ratinho com a autora do projeto de lei o PLC 122/06 a Ex-Deputada por São Paulo Iara Bernardes.


video

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Pedro caminhou sobre as águas



Texto: Mateus 14.25-35


A Bíblia lista várias caminhadas vejam


Na caminhada de Deus no Édem, ele chamou por Adão
Na caminhada de Abraão, ele caminhou deixando sua terra para ir a Canaã
Na caminhada de Moisés, ele caminhou do Egito ao deserto
A caminhada de Josué, em volta dos muros de Jericó
A caminhada de dois discípulos no caminho de Emaús
A caminhada interrompida de Paulo a Damasco
A caminhada triste e santa do pretório ao gólgota via dolorosa
Mas caminhar sobre as águas? Isso é interessante!

Na vida de quem Deus quer usar e melhorar há sempre algo.


Há sempre um chamado: Abraão sai da tua terra... Adão onde estas?...Lázaro sai...
Há sempre medo: Moisés disse: sou pesado de língua... Os espias: são gigantes...Adão: Tive medo e me escondi.
Há sempre encorajamento: Vou com vocês Moisés, gideão... Discípulos. Estarei convosco...
Há sempre uma vida transformada: Pedro, Mateus, Paulo, Maria Madalena.

Deus sempre se apresenta de forma a chamar a atenção na sua teofania


A Abraão ele apresenta-se como anjo
A Moisés no fogo no meio da sarça
A Josué apresenta-se como capitão do exército
A Pedro e aos discípulos no mar de madrugada
Todos sentiram medo, mas quando disseram sim ao chamado experimentaram o poder.

"Jesus aparece aos discípulos no último momento, três horas da manhã, o limite humano é o lugar mais freqüente para encontrar Deus". (Dale Bruner).


Pedro reconheceu Jesus na tempestade, aventurou andando sobre as águas. Precisamos reconhecer Jesus na tribulação, ele está conosco.


Pedro deixou o barco apesar da tempestade, no barco era melhor que na água; o que precisamos deixar? Qual o seu barco? O emprego, bens, família, amigos? O barco não é o lugar mais seguro.

Você pode ficar em sua casa sem fazer nada, mas corre o risco de se acidentar sem fazer nada. Talvez você resolva sair do barco como Pedro. Tudo ia bem, mas reparou na tempestade, e quase foi para o fundo. Você começa o novo cargo, novo ministério, mas derrepente vem a tempestade, os problemas. Pedro sabia caso afundasse, Jesus seria a pessoa certa para ajudá-lo.


Quando você começar afundar nos problemas, Jesus é a pessoa certa. Pedro experimentou a Glória de sair do barco, a glória de ser erguido por Jesus.


Será que os amigos de Pedro caçoaram dele depois de afundar?
Os discípulos tiveram de esperar Jesus acalmar a tempestade. Primeiro Pedro andou sobre as águas, aconteceu tudo aquilo que levou tempo, e só depois Jesus entra no barco e acalma a tempestade.


Pedro não pede promessa, garantia de não afundar, mas ordem: manda-me.
Andar sobre as águas implica coragem e reconhecer o chamado. Para alguns, Pedro agiu no impulso, para outros pela fé. Pedro disse: convida-me. E creu que também podia andar, e andou.


Qual o pensamento de Pedro quando estava andando sobre águas? O vento no rosto, água solidificada, o ar espantado dos amigos, talvez pensasse: não acredito!, eu? Funcionou! Estou andando! É o messias mesmo. Como é isto? O olhar de Jesus estava radiante. Por ver seu discípulo confiar nele.


Ouvimos sobre o poder de Deus. "Olhando ele para a terra, ela treme; tocando nos montes, logo fumegam" (Sl 104:32). (S l46). Mas ver e ouvir não bastam, é necessário experimentá-lo. Os discípulos apesar de verem milagres, apavoraram. "E ele, despertando, repreendeu o vento, e disse ao mar: Cala-te, aquieta-te. E o vento se aquietou, e houve grande bonança". (Mc 4:39). Israel apavorou com a morte de Moisés. "Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não pasmes, nem te espantes: porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares" (Js 1:9).


Para experimentar o poder de Deus é necessário dar o passo.
Moisés- teve de lançar a vara e depois apanhá-la
Israel - teve que marchar, depois o mar abriu-se!
Naamã- teve que mergulhar sete vezes, depois a cura.
Gideão- de trinta e dois mil reduziu o exército a trezentas antes de derrotar os medianias
Os Pães e peixes entreguem antes de serem multiplicados

Reparando no vento


Porque Pedro preocupou com o vento? Ele estava andando por cima das águas, venceu as leis da física.


As crianças pequenas quando estão aprendendo a andar, quando caem nunca pensam: puxa vida! Nunca mais vou andar. Elas se levantam e andam até ser perfeita. Nós somos diferentes, tropeçamos e desistimos. As crianças se divertem, mas quanto mais crescemos, mas temos medo.


A primeira atitude de Jesus foi salvar Pedro e depois repreender. Primeiro Jesus nos salva depois nos repreende. A salvação e o perdão evidenciam o amor de Deus.
Quando Pedro sai do barco, fracassou, e Jesus ajuda a descobrir seu fracasso. Pouca fé. Não ganhou nota dez, mas pelo menos estava melhor que seus companheiros, tinha pouca fé, mas ao menos tinha fé. Seus colegas zero fé.


A esperança tirou Pedro do barco
A confiança o sustentou
O medo o afundou, o medo e a dúvida é o curto circuito que corta a ligação o poder de andar nas águas.


Todos nós odiamos esperar. No trânsito, no médico, e até ficamos alegres quando Mateus fala que imediatamente Jesus disse sou eu, ou imediatamente ajuda Pedro.
Os discípulos esperaram Jesus. Pedro esperou ser chamado para sair do barco.
Esperar é a tarefa mais difícil da esperança. "Descansa no Senhor, e espera nele, não te indignes por causa daquele que prospera em seu caminho, por causa do homem que executa astutos intentos.Espera no Senhor, e guarda o seu caminho, e te exaltará para herdares a terra; tu o verás quando os ímpios forem desarraigados" (Sl 37:7, 34).


Abraão teve de esperar vinte e quatro anos para o cumprimento da sua promessa.
" Havia em Jerusalém um homem cujo nome era Simeão; e este homem era justo e temente a Deus, esperando a consolação d'Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele" (Lc 2:25), "Simeão esperava a consolação de Israel. Depois que Jesus veio a espera continua. E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que disse ele de mim ouvistes". (At 1:4).



"E não só ela, mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo. Porque em esperança somos salvos. Ora a esperança que se vê não é esperança; porque o que alguém vê como o esperará? Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos" (Rm 8:23-25). Porque Deus nos faz esperar? Porque não nos alivia com a resposta? Porque o que Deus faz em nós enquanto esperamos é tão importante quanto àquilo pelo qual esperamos.



"Os jovens se cansarão e se fatigarão, e os mancebos certamente cairão. Mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças, subirão com asas como águias: correrão e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão" (Is 40:30, 31) os que esperam no senhor voam como as águias, 130 km por hora. O espírito te impulsiona para o ar. "O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito". (Jo 3:8).


Geziel Silva Costa

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Confissão Positiva e Nova Era


Confissão Positiva


Os mestres da palavra positiva, dizem que Jó perdeu tudo e adoeceu porque disse:"Porque o que eu temia me veio; e o que receava me aconteceu" (Jó 3.25).


E se Jó tivesse falado palavras positivas tais como estas: Não estou doente! Estou com saúde! Estou rico! Eu determino em minha vida a saúde e a prosperidade! Ou ainda: eu não aceito este sofrimento! Não aceito a doença nem a pobreza! Decreto agora minha benção!

Será que ele tinha resolvido o seu problema? Talvez ele desconhecesse o poder das palavras. Ou ele não tinha fé? Benny Hinn escreve que foi falta de fé, e também por ele pensar negativamente quando falou: “porque o que eu temia me veio, e o que receava me aconteceu”? (Jó 3.25). "Estão vendo”? Escreve Hinn, “ele vivia pensando em perder a saúde e seu dinheiro”.


Esta é uma interpretação fora do contexto. O que Jó temia perder era a comunhão com Deus. Observe no texto que ele sempre oferecia sacrifícios pelos filhos dizendo: “porventura pecaram meus filhos, e blasfemaram de Deus no seu coração” (Jó 1.5). Jó tinha zelo por sua comunhão com Deus. Ele pensava que a tinha perdido. Em todo o livro ele procura uma explicação para suas indagações. Ele não questiona a perda de seus bens e de sua saúde, mas a falta da presença de Deus. Se a confissão e pensamentos produzem coisas negativas, então essa foi a causa de Jesus e seus discípulos viverem na pobreza por falarem negativamente: "As raposas têm seus covis e as aves do céu ninhos, mas o filho do homem não tem onde reclinar a cabeça” (Mt 8.20).


Falta de fé em Jesus? Porque não determinou pelo poder da palavra uma mansão? Jesus disse que morreria. Pedro até falou positivamente que ele não morreria. Jesus no entanto insistiu dizendo que morreria. Estas palavras negativas trouxeram a morte dele?

Ocultismo


No mundo ocultista, o poder mental metafísico é reforçado quando é verbalizado em voz alta decretando algo. Eles chamam de “poder criativo de palavras faladas que traz à existência o que foi dito ou decretadas. Estas idéias ocultistas formam a base dos mantras, encantamentos e feitiços. E os mestres da fé querem trazer para a Bíblia essas idéias ocultistas e antibíblicas.

Nos ensinos de Jesus seus discípulos deveriam suportar as aflições e as perseguições. Apesar de serem odiados de todas as gentes, deveriam tomar a sua cruz e seguir. Não ensinou a eles adquirirem saúde e prosperidade através de palavras e pensamentos positivos, mas disse: “buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça e as demais coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6.33).


As demais coisas estão nos versículos antecessores: a comida, a bebida, as vestimentas dependem de um coração com sede de Deus. Os falsos mestres dão ênfase na fé, dizendo que assim como temos fé e vontade de receber riquezas, na mesma intensidade devemos contribuir com nosso dinheiro doando os nossos bens. Eles sim estão ricos, milionários, mas olhe para os seus contribuintes fiéis, continuam na pendenga. Foram persuadidos a plantarem uma tal de semente da fé”, e até hoje não nasceu nada.


Falam com todas as letras que a Bíblia é um livro de sucesso financeiro, é só ler. Afirmam com veemência, que a igreja vai possuir o dinheiro do mundo todo. E que a vontade de Deus é que todos sejam milionários. Como fica o que Jesus falou? “Os pobres sempre tendes convosco” (Jô 12.8) leia também (Hb 11.37, Mt6.19-21 1Co13). Se os crentes podem realizar prodígios e maravilhas iguais Deus, se somos dotados do mesmo poder criador que Deus possui, se podemos fazer qualquer negocio com Deus e obter tudo o que falamos, então deveríamos através do poder das palavras curar, salvar e prosperar todo o planeta e implantar o milênio agora mesmo. Se nunca é da vontade de Deus que soframos ou adoeçamos, vamos decretar a imortalidade do corpo agora mesmo e o arrebatamento será desnecessário.


O homem é divino?


Para os mestres da fé, o homem é um pequeno deus, obedecendo às mesmas leis que Deus tem que obedecer, esses ensinos cada vez mais está sendo popular entre os evangélicos. Consciente ou inconscientemente está sendo aceito. Às vezes com mensagens subliminares. Um dos grandes mestres da fé que mais vendem seus venenos escreve: “fomos criados para sermos deuses sobre a terra, mas não se esqueça de escrever com “d” minúsculo". A bíblia afirma que há um só Deus verdadeiro, e ele disse: “Eu sou Deus e não há outro” (Is 45.22). “Os deuses que não fizeram os céus e a terra desaparecerão da terra e de debaixo destes céus” (Jr 10.11).


Assim como Deus criou as coisas através de sua palavra, os mestres da fé achando que são deuses, querem criar o seu mundo falando palavras positivas. As coisas não vieram a existir porque Deus falou, mas porque foi Deus quem falou. Podemos decretar, determinar e chamar s coisas à existência o quanto quisermos, não vai acontecer nada. Não somos deuse,s as nossas palavras não tem o poder de criar como as de Deus. Eles gostam de citar provérbios de Salomão. "A morte e a vida estão no poder da língua” (Pv18.21).


Salomão estava passando o reinado ao seu filho. E como rei, sabia que tinha o poder assim com tem o juíz para decidir o destino do réu. O fofoqueiro também tem o poder de infernizar uma vida, de destruir um casamento, um emprego etc. é neste sentido que nossas palavras tem poder, de causar tristeza, desanimo ou alegria. Podemos motivar alguém ao estudo, ao trabalho ou a uma conquista. Mas o poder de trazer as coisas à existência, isto é bobagem.


As pessoas estão perdendo o temor de Deus. Os ateístas rebaixavam Deus a um mero homem. Os mestres da fé dizem que temem, amam e adoram a Deus, mas estão se esforçando para divinizar o homem, elevá-lo ao mesmo patamar de Deus. Intitulam-se porta-voz - de Deus quando dizem: Deus acabou de me falar! De me revela um mistério! Até dão ordens a Deus em pleno culto: faça isso! Faça aquilo! Se Deus não fizer rasgo minha Bíblia.


Nem a palavra positiva do diabo tornou Eva divina. Sereis iguais a Deus. Eva acreditou, falou positivamente a Adão, ele comeu com ela e caíram no engano. Apesar desta afirmação ser positiva, também era falso. Ou foram as palavras negativas de Deus quando disse certamente morrereis que os mataram? No jardim a questão era a obediência, e hoje também é assim. Leia na integra a monografia das Assembléia e Deus contra a confissão positiva.


O rei Josafá admitiu que não tinha poder para enfrentar a aliança de seus inimigos, mas Deus lhe deu uma vitória maravilhosa (2Cr20). Paulo admitiu sua fraqueza e afirmou que quando era fraco, então era forte, pois o poder de Deus se aperfeiçoa na fraqueza (2Co 12.9-10). Foi depois dos discípulos reconhecerem que não tinham apanhado peixe algum, que Jesus os dirigiu à pesca maravilhosa (Jo 21.3-9). Não foi dito a essas pessoas que substituíssem suas confissões negativas por confissões positivas que fossem contrárias aos fatos...no entanto, Deus interveio maravilhosamente mesmo que eles tivessem feito o que alguns chamariam de confissões negativas.


Ensinar o que os líderes nos primeiros dias da igreja como Paulo, Estevão e Trófimo não viveram num constante estado de afluência e saúde, porque não possuíam luz sobre esse ensino é ir além e contra a palavra de Deus. A doutrina só será sã quando formulada dentro do referencial do ensino total das escrituras.


Na Nova Era


Segundo a nova era , o homem é divino ou foi feito para se tornar divino. “O movimento potencial do ser humano”, é um dos temas mais acalorados no mundo do seminário corporativo. Assim como Deus criou o mundo com o poder de suas palavras, o homem pode trazer as coisas à existência através das suas. É uma velha tentativa de satanás. Ele queria ser semelhante ao altíssimo, mas virou diabo. Depois inculcou no primeiro casal no Éden e eles também perderam o paraíso. Hoje prevalece a velha mentira da serpente noticiando através da nova era que o homem é Deus. E são várias as formas para alcançar isto, uma é o poder das palavras, no ato de determinar, decretar, declarar o que você precisar. Dizem ainda que nao existe um Deus criador, pois tudo o que existe sempre existiu.

Deus é o que você queira que ele seja. Está presente em tudo. Tudo é deus (panteísmo) nós somos deuses temos potencial ilimitado e podemos criar nossa própria realidade. Lauro Trevisan, padre licenciado, escreveu no seu livro os poderes de Jesus Cristo, p234. "Jesus ensinou a usarmos o que a ciência da mente reconhece que é uma lei infalível e universal: o que você pode ,o que você pensa e deseja ,o que você mentaliza acontece, porque o subconsciente é acionado para executar".


No âmago do subconsciente está o pai, o "EU SUPERIOR”. Os mestres da fé ensinam que as palvars e pensamentos positivos acionam a Deus a fazer aquilo que estamos determinados que ele faça. Enquanto que as palavras e os pensamento negativos acionam o diabo a trabalhar em nosso favor. Isto é o que a nova era, o ocultismo, hinduismo, budismo e todos os ismos estão ensinado: que o homem está no controle do universo. Se eu ativo Deus ou o diabo eles estão no meu controle sou mais poderoso que eles. É o chamado endeusamento do homem.

Prosperidade


Ignoramos a verdadeira prosperidade. Para começo de conversa, Davi diz: "do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam" (Sl 24.1). O Senhor é o dono o proprietário, o homem é seu mordomo particular. Lembre-se de Adão no jardim. Estava lá para lavrar a terra e cuidar dela, tinha que trabalhar. A idéia de usurpar o trono de Deus e ser igual a ele, parece com satanás. Ele estava no Éden jardim de Deus para cuidar. Mas queria ser igual a Deus queria ser o proprietário. A Bíblia não incentiva a busca de riquezas mas adverte: “porque nada trouxemos para este mundo e manifesto é que nada podemos levar dele. Tendo, porém, sustento e com que nos cobrirmos esteja com isso contentes” (1Tm 6.7-8)

Na oração do pai nosso, Jesus ensinou os seus discípulos a pedir o necessário para viver hoje: “o pão nosso de CADA dia dá-nos hoje” (Mt6.11). A Bíblia não se contradiz mas está em conformidade tanto no Antigo como no Novo Testamento observe as palavras de Agur: "não me dês nem a pobreza e nem a riqueza; mantém-me do pão da minha porção acostumada; para que porventura de farto te não negue e diga: quem é o Senhor? Ou que empobrecendo,venha a furtar e lance mão do nome de Deus” (Pv30.8-9).


Paulo alerta a Timóteo a fugir dessas coisas e seguir a justiça, a piedade, a fé, a caridade, a paciência, a mansidão. "Os que querem ser ricos caem em muitas tentações em laços e concupiscência. Nessa cobiça lguns se desviaram da fé".(1Tm 6.9-11). A riqueza não é pecado, quem é rico não vai para o inferno se for um cristão autêntico. O que é pecado é viver em busca dela, com o principal objetivo voltado para ela. A Bíblia ensina buscar o reino de Deus! Buscar ao Senhor enquanto se pode achar! Buscar a Deus na madrugada! Porque quem põe Deus em primeiro lugar põem o dono da riqueza.


Geziel Silva Costa

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

O filme Avatar


Joe Schimmel
O filme Avatar, de James Cameron, é um fascinante e arrebatador sucesso nos cinemas. Seus efeitos especiais são tão tremendos que transportam a audiência vividamente para um outro mundo, no qual adorar uma árvore e ter comunhão com espíritos não são apenas aceitáveis, mas atraentes. Avatar é também marcadamente panteísta e essencialmente o evangelho segundo James Cameron. Esse tema panteísta, que iguala Deus às forças e leis do Universo, é apresentado claramente pelos heróis e heroínas do filme: todos adoram Eywa, a deusa “Mãe de Tudo”, que é descrita como “uma rede de energia” que “flui através de todas as coisas viventes”.

Sobretudo, o filme é repleto de mágica ritualística, comunhão com espíritos, xamanismo, e descarada idolatria, de forma que condiciona os espectadores a acreditarem nessas mentiras do ocultismo pagão. Além disso, a platéia é levada a simpatizar com o Avatar e termina torcendo por ele quando é iniciado nos rituais pagãos. No final, até mesmo a cientista-chefe torna-se pagã, proclamando que está “com Eywa, ela é real” e que ficará com Eywa após sua morte.

Enquanto a representação fictícia de James Cameron a respeito da religião da natureza presta-se muito bem à mentira da Nova Era de que as religiões dos nativos americanos [indígenas] eram favoráveis à vida e inofensivas, a representação dos sacerdotes maias em Apocalypto (de Mel Gibson), devedores de divindades sedentas por sangue, que exigiam o sangue de suas vítimas sacrificiais, estava muito mais perto da verdade. A maneira adocicada e romântica com que James Cameron mostra os selvagens e os antigos cultos à natureza em Avatar é oposta aos fatos encontrados em antigos códices e achados arqueológicos: estes revelam que os astecas, os maias e os incas estavam todos envolvidos em sacrifícios humanos em massa, inclusive tomando a vida de criancinhas inocentes para apaziguar seus deuses demoníacos.
Para ler o restante do conteúdo clique aqui:

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Cenas da Festividade dos Jovens em Vázea Grande MT

Conj.Melodia Divinal


Pr Sílvio Limeira

Pr Jair Fagundes

Aconteceu o 31º aniversário do conjunto de Jovens "Melodia divinal" em Várzea Grande MT, do dia 28 à 31 de janeiro do corrente ano. Festividade que foi marcada com a palavra de Deus, pregada pelos pastores, Samuel, Jair Fagundes e Sílvio Limeira, falando sobre a influência dos jovens cristãos na pós-modernidade.
Este encontro de jovens ficou marcado pela presença do Espírito Santo. Houve renovo espiritual com muitas lágrimas. Que Deus possa continuar abençoando nossa juventude para continuar influenciando este mundo pós-moderno.