Alerta Final

Visite a página no face book geziel.costa

terça-feira, 25 de março de 2008

Modismos


Modismo teológico e seus contra-sensores à luz da Bíblia

Doutrina bíblica é um ensino normativo, terminante, final, extraído das Sagradas Escrituras e concernente à fé em Deus e à prática da vida cristã. Esse ensino deve ser desdobrado em pormenores e embasado com a apropriada referência bíblica. Ela é chamada de “a sã doutrina” (Tt 2.1).



A falsificação da doutrina ocorre quando se formula doutrina antibíblica, se pervete a sã doutrina com falsa base em textos bíblicos mutilados e quase sempre isolados do seu contexto. Isso é distorção, aberração, adulteração, desvio, inovação e trucagem das verdades doutrinárias bíblicas.



O surgimento cada vez maior de doutrinas falsas é um sinal dos tempos (1Tm 4.1; 2Pe 2.1; 1Jo 4.1; Cl 2.22; Mt 24.11 e 15.9)
A distorção da doutrina bíblica vem em grande parte das igrejas neopentecostais e de outros grupos similares. Também vem das seitas falsas, como Ciência Cristã, Igreja Local, Igreja da Unificação, Igreja Messiânica, Testemunha de Jeová, Mormonismo, Tabernáculo da Fé, Voz da Verdade, Igreja “Só Jesus” etc.



Grande parte dos falsos ensinos está relacionada às operações, ministérios e manifestações do Espírito Santo. Escrevendo a Timóteo, o apóstolo Paulo falou sobre os desviados da doutrina (2Tm 2.18; 4.4). Vejamos as facetas da falsificação da doutrina.

a) Falsos ensinos - São doutrinas bíblicas, adulteradas, falsificadas.
b) Falsas doutrinas – São pseudo-doutrinas, forjadas. Nunca foram doutrinas bíblicas. Isso está surgindo até dentro da Assembléia de Deus.
c) Falsas religiões – São religiões antibíblicas que vem dos primórdios da humanidade. Às vezes mudam de nome, mas o conteúdo é o mesmo.
d) Falsas seitas – É um falso movimento religioso derivado de uma ou mais religiões, verdadeiras ou falsas.
e) Falsos princípios, idéias e crenças filosóficas – uma ramificação de falsas idéias no campo religioso-filosófico.

Em ordem alfabética, vejamos um exemplário parcial de corrupções da doutrina bíblica
“Amarrar o inimigo”
Há pessoas que pensam que a através de frases feitas, jargões, lemas, slogans e gritos podem “amarrar” Satanás e seus demônios. O inimigo, na verdade, zomba de tal mecanismo. Não é assim que se “amarra” o Inimigo, conforme podemos conferir em marcos 3.27 e Mateus 12.29. Isso é divulgar os demônios e explorar a credulidade publica, levando o povo a uma maléfica crendice, uma forma de curandeirismo e pajelança. Amarra-se realmente o Inimigo pela fé em Cristo e reivindicamos a sua vitória e a sua autoridade, que é suprema, sobre o Inimigo (Jô 14.20; Ef 1.30,20-22 e 2.6; Cl 2.15; 2Co 2.14 e 10.4-5; Mc 16.17; Fp3.10 e 4.13).


Batismo no Espírito Santo sem a manifestação de línguas



É antibiblico. É um falso batismo. As línguas “conforme o Espírito Santo concede” são a evidencia física inicial desse glorioso batismo, conforme seu padrão em Atos 2.1-4; 10.44-47 e 19.1-7. É a lei da primeira referência, da hermenêutica. Os promotores desse falso batismo são as igrejas neopentecostais e o povo da renovação católico-carismática.



Cair no Espírito



“Cair no Espírito” é cair e ficar inconsciente; cair não subjetivamente; cair a toda hora. Cair em grupo; cair por manipulação de alguém esperto, e ainda mais citando textos bíblicos truncados. Há por exemplo, uma má compreensão e interpretação de João 20.22. Que relata o momento em que Jesus soprou sobre seus discípulos e disse: “Recebei o Espírito”. Há quem acredite no poder do toque ou do sopro que derruba as pessoas de tal forma que o fenômeno passa a ser centro das atenções do culto.
Elias tinha poder até na sua capa. Eliseu tinha poder até nos seus ossos. Pedro tinha poder até na sua sombra. Paulo tinha poder até nas suas vestes, mas nenhum deles jamais andou derrubando as pessoas no culto.
Daniel e Ezequiel caíram, sim, mas prostrados. É diferente. Não foram derrubados de modo ostensivo. João o apóstolo, caiu prostrado ante a glória da majestade divina. Também é algo absolutamente diferente. “O Senhor levanta a todos os abatidos”, Sl 145.14.

Confissão Positiva



Também conhecida como teologia da prosperidade, evangelho da prosperidade ou movimento da fé. Ensina que o crente que sofre doenças, revezes contratempos, prejuízos, desastres, provações , tribulações e pobreza sofre tudo isso por que:

a) Ou está em pecado diante de Deus.
b) Ou não confia em Deus.
c) Ou é infiel a Deus.
d) Ou ainda não dá abundantemente das suas finanças, bens e tempo para Deus e sua obra.

Esses pregadores são peritos em tomar versículos isolados dos seus contextos e ensiná-los erradamente (Sl 34.19; 91.15; 119.67,71,75; Jô 16.33; At 14.22; Rm 8.17-18; Pd 5.10; Tm 3.12; Dt 15.4-5,11 e Jô 12.8). Se em Marcos 10.30 encontramos a promessa “Que não recebe cem vezes tanto já neste tempo”, o mesmo texto acrescenta “com perseguições”. Se em Hebreus 11.34 se diz que os heróis da fé “escaparam do fio espada”, no versículo 37 se diz que outros heróis foram “mortos ao fio da espada”. Além das distorções, há também os flagrantes e comprovações de fraudes, truques, falcatruas, trapaças e extorsões entre apologistas da confissão positiva.

Corrupção da música na igreja



A oração e o ministério da Palavra foram praticamente substituídos hoje pelo cântico nas igrejas. O ministério da Palavra a que me refiro é a pregação e o ensino da Palavra. Os neopentecostais e os “renovados” ensinam que a “mais elevada forma de oração é o louvor”.Isso é falsificação da doutrina. Como resultado, as antigas vigílias da Assembléia de Deus foram transformadas em “vigílias de louvor”, que no final nem é vigília nem é louvor no sentido estrito destes termos. Qual é o procedimento destas músicas? A maioria esmagadora vem dos neopentecostais (alheios à doutrina bíblica).Também vem do movimento espúrio “Voz da Verdade”, que entre outras coisas, é unicista; dos mórmons, que são heréticos; dos carismáticos, que são “joio no meio do trigo”, e dos adventistas, que são exímios torcedores da Palavra de Deus. A corrupção da música sacra em nosso meio ocorre por não haver seleção, critérios de aceitação e nem aferição com a Palavra de Deus, como fizeram os bereanos em Atos 17.11. “Examinado cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim”. Vejamos as manifestações dessa corrupção:

a) corrupção nas letras das canções: A letra, via de regra não tem na Bíblia nem mensagem para a alma. Também não tem métrica e a letra é geralmente péssima.

b)corrupção na melodia da canção: Não tem seqüência melódica, frase musical e tema musical. São idênticas às melodias do mundo, sem nada de solene.

c)corrupção no ritmo da canção: Ritmo irreverente, puramente secular, coisa que o mundo faz muito melhor do que a igreja quando esta copia. Ritmo ou cadência é o movimento interativo dos sons.

d) Corrupção no andamento da canção: Andamento é a rapidez da execução dos sons na musica. O andamento nessas musicas,via de regra, não tem nada de espiritual, nem solene, ne, sacro.

e) Os autores dessas musicas: Devem ser adeptos desse evangelho frouxo que hoje surge por toda parte, que fala em “liberdade”quando eles mesmos são escravos, como diz a Bíblia em 2Pedro 2.19. Se esses autores fossem realmente homens e mulheres de Deus vivendo e andando no seu temor, jamais fariam tanto desvios nas musicas que produzem.

f) Os efeitos dessas mísicas: São espiritualmente negativas. Seu efeito é nulo. São músicas que, cantadas, tocadas ou recitadas, não elevam a alma Deus, não predispõe o espírito a adorar a Deus, não inspiram não preparam espiritualmente o ambiente à manifestação divina, não levam o povo salvo a glorificar a Deus “em espírito e em verdade”.

Cura interior



No início, há algumas décadas, o assunto cura interior era abordado de forma biblicamente correta, mas hoje tem sido totalmente desvirtuado pelos inovadores, copiadores, neopentecostais, carismáticos e até por gente da Assembléia de Deus. Tudo por falta de estudo sério e honesto das Sagradas Escrituras. Hoje, a cura interior, como ensinada em cruzadas, seminários, livros, e vídeos, é antibiblica e falsa. É praticamente uma segunda experiência de conversão. Ela está levando à regressão interior e à maldição hereditária, tudo com base em falsas premissas que dizem ser existente nas Escrituras. A cura interior, como vista hoje, leva a um falso evangelho, sem poder; a um Cristo incapaz de salvar, a uma falsa salvação. Agora, porque muitos crentes convertidos mesmo, padecem continuamente os alegados sofrimentos tão mencionados pelos pregoeiros de cura interior? Por vários motivos.

a) Porque são crentes que tem ligação com igrejas e grupos antibiblicos, como maçonaria, Igreja Messiânica, Meninos de Deus, Meditação Transcendental, Nova Era, LBV etc.

b) porque são crentes que continuam na prática de pecados conhecidos e deliberados, e ainda os defendem. Muitos praticam fornicação, adultérios, aborto, roubo, jogos, homossexualismo, rebelião, negócios ilícitos e vivem em comunhão com os ímpios.

c)porque são obreiros enquadrados em malaquias 2.1-3, 8-9.

d) porque são crentes que não perdoam seus irmãos de coração e não se perdoam (Dt 29.18; Pv 26. 24-27; Ef 4.31-32; Hb 12.15; Mt 18.32-35).

f) Porque são crentes que guardam coisas do inimigo em seu poder, seja em sua casa ou em seu carro e bolso. Lembremos de Jesus em João 14.30: “E ele nada tem em mim”.

Muitos crentes, pelas razões mencionadas a cima, tem feridas crônicas na alma, como mágoas permanentes, ressentimentos, revoltas, recalque, sentimentos de culpa; sentimentos de solidão, abandono e frustração; ira e ódio constantes; complexos de inferioridade, superioridade ou de derrota; amargura, rancor, trauma nervoso, medo doentio e tristeza crônica. Precisamos examinar profundamente deuteronômio 21.23, Nm 23.23, Is 54.17, Sl 121.7 e 91.10, Jr 20.11, Jo 8.36, Gl 3.13, 2Co 5.17 e 10.4-5, Rm 5.9.

Dança no Espírito



Nem no AT nem no NT encontramos tal ensino. A dança em Israel, mencionada na Bíblia, fazia parte da cultura do povo e era patriótica. Consistia em ficar pulando e saltitando ritmicamente em volta de si mesmo ou de outras pessoas. Às vezes os israelitas ficavam de mãos dadas mas sempre homens separadamente. Miriam dançou uma vez pelo prodígio divino da travessia do mar vermelho a seco quando Israel saiu do Egito. Em Lucas 15.25 numa parábola, o pai do pródigo é mencionado dançando de alegria por rever o filho perdido. O corinho que diz “eu danço como Davi” não tem razão de ser, porque Davi dançou patrioticamente (2 Sm 6.14-16), e os adeptos da dança hoje querem dançar no culto. Davi dançou na rua no desfile do translado da arca da aliança (2Sm 6.16, 1Cr 15.29), mas os que querem dançar hoje utilizam o local do culto.

Guerra espiritual



Também conhecida como “batalha espiritual”. O que muitos estão chamando de guerra espiritual é um logro do inimigo e não a verdadeira guerra ou luta espiritual de fala Paulo em Ef 6.10-18, e muitas outras passagem correlatas da Bíblia. De nada adianta o uso de uniformes especiais, palavras de ordem (como “queimar” ou “pisar”Satanás e seus demônios), certos cânticos repetidos indefinidamente, jejuns encomendados, locais especiais de reuniões (como orar em montes etc), convidados especiais para falar, barulho ensurdecedor e gritos estridentes, se não estivermos biblicamente em Cristo, segunda a palavra de Deus, e no poder do Espírito Santo (Jo 15.7). Quanto aos demônios, o que os inovadores da doutrina estão a fazer é:
a)impor as mãos sobre os indemoniados (!!!)
b)chamar endemoniados a frente (!!!)
c)dialogar com demônios em públicos (!!!).
d)O demônio pode até sair, mas volta; ou entra noutra pessoa, ou ainda entra em muitas outras pessoas. Qual a razão desses inovadores quererem dialogar com demônios? Para ouvirem confissões pétricas de demônios ( ou supostos demônios). Isso equivale a divulgar os demônios, e é isso o que eles querem. Jesus mandou-nos chamar os pecadores e expulsar os demônios. Hoje estamos vendo certos pecadores chamando os demônios expulsando os pecadores. Sim, porque estes saem das reuniões confusas, sem saber se estavam num culto legítimo ao Senhor ou numa sessão espírita. A chamada guerra espiritual, como está no momento caracterizada é uma falsa operação divina. A libertação de demônios, profecias e milagres falsos. Sobre falsas profecias o mestre já nos advertiu. Em Mt7.22-23, encontramos Jesus fazendo referencias a pessoas que não serão aceitas pelo Senhor apesar de colocarem: “não profetizamos nós em teu nome?” isso também tem haver com falsos pregadores sobre falsa libertação de demônios, no mesmo texto encontramos: “e em teu nome não expulsamos demônios?” a resposta do senhor foi contundente (Mt7.23). O evangelista deve atentar para isso. Sobre falsos milagres, na mesma porção bíblica temos: “ e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?” a resposta foi idêntica (Mt7.23). sobre isso podemos também ver 2Tss 2.9-11 e Ap 13.13-14.


Maldição hereditária



Também conhecida como maldição de família, é outro ensino falso advindo da atual e antibiblica idéia de cura interior. A maldição hereditária, segundo os seus pregoeiros consiste em pactos de ascendente da família feitas com demônios. Segundo eles, esses pactos de que a pessoa pode star ou não a par, traem a maldiçao para a vida da pessoa. A maldição pode ser também, pragas evocadas, rezas, patuás, “ mal olhado” etc. esse falso ensino decorre da ma compreensão e interpretação de êxodo 20.5 e 24.,1-8; Lv 26.39; Nm 14.18 Dt 30.19.
Contra esses ensinos temos os textos claros de Jo8.36; 2Co5.17; Gl3.13; Is54.17 e todo o Sl91. Os adeptos desses ensinos praticam a chamada “quebra de maldição”. Ora, a maldição sem causa não virá. Pragas sem motivos não funcionam: “como pássaro no seu vaguear, e como a andorinha no seu vôo, assim a maldição sem causa não virá”, Pv26.2. Às vezes, um verdadeiro crente que se envolve com esse tipo de ensino é uma “casa desocupada”, e podemos ver o resultado disso em Mt12.43-4. É sempre uma tragédia espiritual um filho de Deus viver vazio espiritualmente, isto é, vazio do Espírito Santo, da Palavra de Deus, da oração , da fé, em fim, da presença do Senhor em sua vida. Tal crente pode facilmente cair nas mãos desses assaltantes da alma. A amaldiçao hereditária leva a regressão interior , que já é puro ocultismo, é farsa diabólica da “bi locação” do individuo. “É o que diz o Sl 42.7”: “ um abismo chama outro abismo”.

A nova unção



Deus restaura, sim, a nossa unção recebida dele, mas isto não “significa “ uma nova unção”, como estão propalando, inclusive recentes figuras internacionais do movimento neopentecostal. A Bíblia fala da unção coletiva do Espírito Santo sobre os membros do corpo de Cristo, composto por aqueles que são regenerados pelo espírito (2Co 1.21 e1Jo2.20-27). É chamada a “unção do santo” (1Jo2.20). ela nos separa do mal, nos santifica para Deus e para o seu uso. Nada de mistura com o mal, com as trevas, com o pecado. Essa unção,de que fala a palavra de Deus fica em nos: “fica em vos”, 1Jo2.27. é a unção que permanece e que ensina: “a sua unção vos ensina”, 1Jo2.27. “e sabeis tudo”, pois o espírito sabe todas as coisas (1Jo2.20). as escrituras ainda nos diz que é a unçao que não mente: “e não é mentira”(1Jo2.27). ela não contem engano, logro, fralde, falsidade, truque, desonestidade. O termo unção, na Bíblia, remete para o óleo, azeite, símbolos do espírito santo.

Risos no espírito



Também é conhecido como “fenômeno de Toronto”. São prostrações, caídas ao chão, estremecimentos, gargalhadas histéricas e descontroladas, rolarem no chão, urrar e coisas assim. Benny Hinn está associado a estes estranhos fenômenos, bem como outros escritores, pregadores, articulistas e conferencistas. Nas reuniões de “risos no espírito”, a pouco ou nada de leitura bíblica de pregação e ensino da palavra de Deus. Durante as reuniões, eles preferem repetidamente frases como:
-não tente usar sua mente para entender isto.
-não olhe agora.
-beba! Receba!Receba um pouco mais!
Ora, tudo isso é contrario nos ensinos da palavra de Deus pois a fé abrange a mente. Hb11.3 afirma: “pela fé entendemos”. Alem disso a nossa fé não pode depender de fenômenos desse tipo
.


Pastor Antônio Gilberto

Texto extraido do Ensinador Cristão CPAD

A IMPORTÂNCIA SIGNIFICATIVA DO POVO EVANGÉLICO PARA A SOCIEDADE


Na região metropolitana do Rio de Janeiro, aproximadamente no ano de 1992, houve alguns dados estatísticos. Entre os diversos dados, está o do “Instituto de Estudos da Religião” (ISER). Realizou-se nesse mesmo período, o Censo Institucional Evangélico, o que fez alguns pesquisadores e antropólogos renomados a ter a curiosidade para a pesquisa. Foi em primeira instância, que em algumas décadas, essa classe social vinha apresentando transformações no que diz respeito a relação com a Sociedade. Dentre elas (na esfera Política, e na Comunicação). Se passaram dois anos e algumas considerações qualitativas fez com que dobrassem essas qualidades agora abrangendo uma esfera. Essa esfera trouxe maiores indagações na vida social desta classe. Que definirei em três esferas, a Saber:

1 – Na Comunidade Religiosa.

Poderíamos destacar que a fé religiosa, o credo em si propriamente dito, tem participação máxima. Isso facilita a filiação religiosa objetivando a mudança de denominação. Afirma-se ainda que nesse intermediário interdenominacional, há denominações prediletas e mais dirigidas para o protestantismo carismático. Seguindo a exemplo dos pentecostais, mas com raízes Católicas, o pentecostalismo e em particular o neopentecostalismo o novo pentecostal que é menos tradicional é mais místicos em seus rituais litúrgicos.

2 - Na família.

Nesse particular mencionaremos alguns fatores que contribuem para a sociedade brasileira. Com o crescimento desta classe social, dentre as análises feitos e de fator positivo destacamos nas relações familiares o comportamento reprodutivo. Segundo Fernandes, os evangélicos representam um avanço na modernização da sociedade brasileira. Sem falar na contribuição para o mundo Científico-Tecnológico depois da Reforma Protestante. Segundo a pesquisa a taxa de fecundidade entre os evangélicos é de 2,74%, próximo da taxa da população brasileira de 2,58%. “A pesquisa mostrou nitidamente que as igrejas evangélicas tendem a influenciar os seus membros a baixar a taxa de natalidade” (p. 103) FERNANDES Rubem (ISER).

3 – Na Atividade Política.

Além do mais, exige-se de um homem convertido, a mudança de comportamento. No que se refere a economia, no âmbito geral, ao adultério e aos vícios de jogos, álcool, tabaco, drogas, e ainda dificilmente se ver evangélicos envolvidos com assassinatos e acidentes de carro por embriaguez, etc... etc... . Para o escritor Fernandes, sugere-se que “A pregação evangélica tem propiciado transformações modernizantes das relações entre os gêneros” (p. 94) FERNANDES Rubem (ISER).
Vale ressaltar da grande valia para a sociedade brasileira e o mundo num todo. Ressaltamos que trabalhos específicos, são realizados na recuperação de drogados e no incetivo da juventude aos estudos. (A maioria dos jovens evangélicos, chegam a cursar uma graduação). Eles saem das drogas, da promiscuidade desenfreada. Existe a conversão de presidiários e obras de ação social entre eles, sendo um projeto de sociedade. Mas nesse sentido, pregam a regeneração moral, a partir da qual decorrem as transformações. E ainda concede novamente o direito com a dignidade de inserir-se novamente na sociedade.

Mas aqui são apenas alguns dos possíveis desdobramentos das pesquisas que o ISER realizou para uma comprovação concreta no meio Evangélico contemporâneo. Por um lado tornam-se cada vez mais inteligível este segmento, por outro suscitam novas hipóteses sobre o impacto causado pela conversão no comportamento de uma parcela significativa para a sociedade.


Pr. e Prof. Jadhiel Costa
Formado em Licenciatura Plena em Ciências da Religião e Bacharel em Teologia, Especialista em Filosofia Geral e História Geral pela faculdades INTA de Sobral-CE
Formado em Missiologia pela EMAD do Rio de Janeiro RJ
Formado em Apologética pelo Instituto Cristão de Pesquisa de Jundiaí – S.P.


segunda-feira, 24 de março de 2008

A POLÊMICA DOS EMBRIÔES E CÉLUAS TRONCOS. VEJA AS OPINIÕES PRÓ E CONTRA AS PESQUISAS

video

Vemos nessas opiniões, as pessoas que trabalham com seriedades, e as que querem manipular. Quando cientistas intelectuais sérios, mostram o verdadeiro trabalho da ciência, não deixa dúvidas quanto às trapaças. Só assim vemos o que está por trás da mídia tendenciosa. Precisamos nos inteirar do assunto, e mostrar a nossa postura contrária. Afinal a igreja sempre esteve na contra partida do mundo. Sempre estivemos na contra mão do pecado combatendo os erros.

terça-feira, 18 de março de 2008

A PÁSCOA


As festas do Senhor


Por Gilson Barbosa


Quem não gosta de festa? As festas nos proporcionam momentos felizes de comemoração. Mas comemoração de quê? No Ocidente, não há uma preocupação com o caráter e a natureza inerentes às festas e, quase sempre, elas se tornam um fim em si mesmas. É a festa pela festa. Contudo, isso não se dá com a cultura oriental, em que as festas assumem um significado histórico em momentos que oscilam entre a alegria e a tristeza.


Neste artigo, e nas próximas edições de Defesa da Fé, referenciaremos as festas observadas na cultura judaica bíblica. Entender a natureza dessas festas é salutar aos cristãos hodiernos para que conheçam melhor alguns fatos bíblicos.


"As festas judaicas tinham diversos propósitos. Algumas, não passavam de mais uma espécie de culto ou adoração a Deus. Nessas ocasiões, o povo, arrependido de seus pecados, buscava o perdão e a bênção de Deus. Era o momento de purificar a alma e de marcar um novo começo. Outras festas eram, também, ocasiões de adoração, mas se manifestavam em alegres ações de graças. Sempre que as colheitas eram abundantes e os rebanhos se multiplicavam bem, o povo expressava grande aptidão a Deus, e faziam isso dançando pelas ruas. Cantavam e tocavam instrumentos musicais em louvor ao Deus que tanto os abençoara. Em algumas festas, havia instantes de oração e meditação. Contudo, sua forma de adoração mais comum era o regozijo, com muita música, alegria e banquetes”.


As festas


As festas imprescindíveis à nossa análise são: Festa da Páscoa (Pessach), Festa do Pentecostes (Shavuot, ou Festa das Semanas), Festa das Trombetas (Rosh Hashaná), Festa da Expiação (Iom Kipur) e Festa dos Tabernáculos (Sucót, ou Festa das Cabanas). Além dessas festas, consideradas grandes, há outras festas “menores”, como, por exemplo, as comemorações Chanucá e Purim, que surgiram depois de lei. E por falar nisso, todas as festas do Senhor foram instituídas sob a lei dada por Moisés e possuem caráter comemorativo, pois retratam a maneira como Deus lidava como o povo de Israel durante sua jornada pelo deserto e o comportamento que os israelitas deveriam ter para com o Eterno, entre outros fatores que são conseqüências históricas importantíssimas para a nação judaica.


Iniciaremos a nossa análise sobre as festas judaicas com a Páscoa que, sem dúvida, é uma festa de extrema importância e com grandes significados. Na cultura israelense, há três grandes festas conhecidas como as “Festas da Peregrinação”. “Quando o templo ainda estava de pé, os judeus faziam uma peregrinação a Jerusalém para entregar suas ofertas durante três festas: Pessach, Shavuot e Sucot. Os que viviam fora de Israel, tinham de vender parte de sua colheita e enviar o dinheiro para comprar oferendas e ajudar a cuidar do templo e dos sacerdotes. Pessach, a páscoa judaica, é a festa que celebra o êxodo do Egito [...] Agora que não há mais o templo, os judeus celebram essas festas em casa e na Sinagoga”.


Os cristãos, em geral, não comemoram literalmente essas festas — pelo menos não nos moldes judaicos —, mas reconhecem e respeitam a cultura judaica, que, de certa forma, é um legado bíblico. Também não ignoram que as festas judaicas, em grande parte, têm em Jesus Cristo o seu antítipo.


Etimologia


O Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento nos informa que “o vocábulo ‘páscoa’ deriva de pesah, que significa, segundo alguns estudiosos, ‘passar’ (por cima/por alto)”. A anuência a este dicionário, para a etimologia sugerida, pode ser confirmada pelo Novo Dicionário da Bíblia, que completa: “Páscoa, em hebraico, pesah, vem de um verbo que significa ‘passar por cima’, no sentido de ‘poupar’”. Estas explicações podem ser verificadas nas Escrituras Sagradas, mais precisamente no livro de Êxodo (12.12,13).


A data da comemoração


A celebração da Páscoa acontecia na tarde do 14º dia do mês de Nisan (março/abril no nosso calendário) e, simultaneamente, era conjugada com a Festa dos Pães Asmos, como bem descreve Levítico: “No mês primeiro, aos catorze do mês, pela tarde, é a páscoa do Senhor. E aos quinze dias deste mês é a festa dos pães ázimos do Senhor; sete dias comereis pães ázimos” (23.5,6). As duas festas eram comemoradas juntas, como bem mostra um texto do Novo Testamento que comenta o planejamento para a prisão de Jesus: “E dali a dois dias era a páscoa, e a festa dos pães ázimos; e os principais dos sacerdotes e os escribas buscavam como o prenderiam [Jesus], com dolo, e o matariam” (Mc 14.1).


Raízes históricas


A renitência de Faraó em não libertar o povo hebreu lhe custou caro por via da décima e última praga (Êx 11.4,5). Contudo, como o Senhor é justo, prescreveu aos judeus qual atitude tomar para que não fossem atingidos pelo mesmo agente que desferiria o golpe sobre todos os primogênitos que habitavam naquele lugar. Ordenou Deus que cada família se provesse de um cordeiro sem mácula, macho, de um ano, e o sacrificasse (Êx 12.6).


Imolado o cordeiro, Deus continua em sua prescrição: “E tomarão do sangue, e pô-lo-ão em ambas as ombreiras, e na verga da porta, nas casas em que o comerem” (Êx 12.7). Os judeus deveriam passar sangue nas vergas das portas de suas residências para que fossem poupados da praga de mortandade (Êx 12.12,13). Era uma espécie de contrato procedimental estabelecido entre Deus e seu povo. Por isso, a Páscoa instituída no Êxodo celebrava (e ainda celebra) o fato de Deus ter poupado, protegido e libertado os israelitas quando os primogênitos do Egito foram mortos.


Jesus e a festa da Páscoa


Como varão israelita, Jesus estava obrigado, pela lei a, anualmente, comparecer a Jerusalém para as três grandes festas: Páscoa, Pentecostes e Tabernáculos (Dt 16.16).A exigência da lei é muito clara. Todos os varões israelitas tinham de estar presentes em Jerusalém durante essas festas. “A larga propagação do povo israelita tornou isso impossível. Os palestinos mais piedosos procuravam, ao menos estar, em Jerusalém durante a Páscoa” .


Sabendo-se que Jesus cumpriu toda a lei, pode-se afirmar, com absoluta certeza, que Ele, a partir dos doze anos (idade em que os meninos israelitas passavam a ser conhecidos como “filhos da lei”), compareceu, anualmente, em Jerusalém, nas três grandes festas de Israel, em obediência à lei, à qual, como varão israelita, estava sujeito (Gl 4.4). O Novo Testamento, entretanto, registra apenas três ocorrências da presença de Jesus em Jerusalém durante a Festa da Páscoa (Na sua infância: Lc 2.40-42. No início de sua vida pública. E na sua morte: Jo 2.23; Mt 26.2; Jo 11.55-57; 12.1,12-23).


O sangue do cordeiro pascal tipifica o sangue de Jesus, derramado na cruz do Calvário, para a nossa redenção. O hissopo (um arbusto, ou subarbusto, que produz uma espécie de pendão com flores espiraladas), por conta da facilidade com que era encontrado, sempre ao alcance da mão, representa a fé (que “está junto de ti, na tua boca e no teu coração” – Rm 10.8), que é o instrumento pelo qual os méritos de Jesus são aplicados à verga e aos umbrais do coração do pecador. Todos aqueles cujo coração estiver marcado com o sangue do Cordeiro de Deus são saltados pelo destruidor.


Nenhum osso do cordeiro pascal seria quebrado (Êx 12.46). Isso também tipifica Jesus: “Foram, pois, os soldados, e, na verdade, quebraram as pernas ao primeiro, e ao outro que como Ele fora crucificado; mas, vindo a Jesus, e vendo-o já morto, não lhe quebraram as pernas. Contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água. E aquele que o viu testificou, e o seu testemunho é verdadeiro; e sabe que é verdade o que diz, para que também vós o creiais. Porque isto aconteceu para que se cumprisse a Escritura, que diz: Nenhum dos seus ossos será quebrado” (Jo 19.32-36).


Jesus é, pois, o nosso perfeito cordeiro pascal, aquele que foi crucificado de uma vez por todas, que se entregou em sacrifício único e nos arrebatou das trevas. Logo, não faltam aos cristãos verdadeiros motivos para a celebração da Páscoa.


A Páscoa e o calendário


Como o calendário judeu é baseado na Lua, a Páscoa cristã passa a ser móvel no calendário cristão, assim como as demais datas referentes à Páscoa, tanto na Igreja Católica como nas Igrejas Protestantes e Igrejas Ortodoxas. Todavia, o Vaticano tem autoridade para indicar outras datas.



As datas móveis do calendário que dependem da Páscoa:


Terça-feira de Carnaval -----------------47 dias antes da Páscoa


Quaresma------------------------------Inicia na Quarta-feira de Cinzas e termina no Domingo de Ramos (uma semana antes da Páscoa).


Sexta-feira Santa----------------------A sexta-feira imediatamente anterior


Sábado da Solene Vigília Pascal------------O sábado de véspera


Pentecostes---------------------O oitavo domingo após a Páscoa


Corpus Christi-------------A quinta-feira imediatamente após o Pentecostes


Obs.: A partir de 2008, a “Ascensão do Senhor” também será feriado, com data fixada em 29 de maio.


Notas:

1 COLEMAN, William L. Manual dos tempos e costumes bíblicos, Editora Betânia, p.263.2 FINE, Doorin. O que sabemos sobre judaísmo?, Callis Editora, 1997, p.28.3 CHAMPLIN, Russel Norman. O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo, p. 36, Lc 2.41.4 NETO, José Barbosa de Sena. A páscoa (artigo não publicado até o momento), 2002.5 http//:pt.wikipedia.org/wiki/Páscoa.

Texto extraído do ICP. http://www.icp.com.br/

Escrito por Gilson Barbosa



quinta-feira, 13 de março de 2008

A confissão positiva (2)


No sermão profético, Jesus falou:"Porque se levantarão falsos cristos, e falsos profetas e farão sinais e prodígios, para enganar se possível, até os escolhidos" (Mc13.22). Estamos vivendo exatamente neste tempo, as palavras de Jesus cumpre-se cabalmente. Qual a origem de todo esse engano de hoje? Em Lúcifer, ele era um querubim ungido, aferidor da medida, cheio de sabedoria, perfeito em formosura:"Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniquidade em ti" (Ez 28.14). O pr. Elienai Cabral, mostra alguns princípios bíblicos que fazem-nos entender a causa da queda de Lúcifer. Segundo o pastor, foi a ilusão, e o engano acerca do seu próprio poder, nas hostes angelicais. Imaginando-se superior a todos os demais anjos criados, pretendeu o lugar do criador. Cinco afirmativas descritas em Isaías 14.13,14 revelam as pretensões de Lúcifer:

A queda de Lúcifer


a)"Eu subirei ao céu". Uma tentativa de estar acima de toda a criação e do próprio Deus.

b)"Acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono". Quando se refere às estrelas de Deus, ele estava falando dos demais anjos criados.

c)"No monte da congregação me assentarei". O monte da congregação refere-se ao lugar do trono de Deus onde ele queria assentar-se.

d)"Subirei acima das mais altas nuvens". Mas uma vez, ele revela sua pretensão de superioridade.

e)"Serei semelhante ao altíssimo". Aqui estava a mais grave das pretensões de Lúcifer. Ele queria colocar-se em posição unilateral em relação ao criador.



A vontade de Lúcifer de ser igual a Deus, foi transmitida à grande números de anjos que resolveram segui-lo. Por estes atos pecaminosos, Lúcifer foi expulso das funções celestiais e condenado eternamente. Poderíamos dar sequência nos fatos desde a queda de Lúcifer, a restauração da terra, e a criação do homem; mas como o assunto abordado limita-se apenas ao veneno de Lúcifer nos dias atual, vamos assemelhar a queda do homem com a queda de Lúcifer. A mesmo técnica que Satanás usou contra Deus, ele apresenta para Eva usar. A concupscência dos olhos, a concupscência da carne e a soberba da vida. Ele usou a concupscência dos olhos quando estava no seu posto celestial, começou a olhar sua formosura, sua sabedoria imensa, seu poder, seu resplendor e caiu na concupscêcia dos olhos. "elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor"(Ez 28.17).



O pecado do casal


O Diabo despertou a concupscência dos olhos em Eva também, veja: "E vendo a mulher que aquela árvore era boa..."(Gn 3.6). Agora que Eva estava presa na concupscência dos olhos, ele tratou de despertar a concupscência da carne, os desejos, a iniquidade, conforme aconteceu com ele. "Até que se achou iniquidade em ti, encheu o teu interior de violência"(Ez 28.15,16). Eva agora estava presa pelo desejo, "viu que a árvore era boa para comer"(Gn3 .6). Da mesma forma que aconteceu com ele, ser semelhante ao altíssimo, se tornar Deus, ele disse a Eva: "Sereis como Deus...Depois havendo a concupscência concebido, dá a luz o pecado, e o pecado sendo consumado gera a morte"( Tg 1.15) Gn 3.5). Cumpriu a palavra de Deus quando disse a Adão: "No dia em que dele comeres, certamente morrereis"(Gn 2.17). Ambos morreram a morte espiritual no mesmo dia, e posteriormente, a morte física.




Hoje a estratégia de Satanás continua a mesma, os números de seus jogos continuam os mesmos, o que mudou foi a fórmula. A sua fórmula hoje se chama Nova Era, e devemos ter cuidado. "Tudo que há no mundo, a concupscência da carne, a concupscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai mas do mundo...O diabo peca desde o princípio"( 1Jo 2.15 3.8). O Pr. J.Cabral alertava dizendo que a Nova Era está presente hoje nos meios de comunicação, na propaganda, marketing, nas práticas religiosas, nos livros e para espanto de alguns em certos púlpito de algumas igrejas pentecostais. A Nova Era tem elaborado seus planos e práticas influenciando universidades, escolas,igrejas e famílias. Não são poucos os pastores e leigos, homens e mulheres que estão adotando consciente e inconscientemente práticas em nome do Espírito Santo, que se enquadram muito bem nos princípios da Nova Era.



Afirma a Nova Era, que temos nos esquecidos que somos um com Deus e que disporemos de um potencial infinito ao alcance dos dedos. Shirley Maclaine, uma propagadora da Nova Era disse: "Eu sou Deus, somos todos parte de Deus, e Deus é parte de nós. Nada pode ficar entre nós e Deus, nós somos um". Alguns anos atrás, a convite de um amigo, participei de algumas reuniões da AMWAY realizados no Hotel Eldorado em Cuiabá. A ideologia capitalista estava presente nos discursos dos oradores, oferecendo enriquecimento fácil, sucesso, atribuindo ao ser humano poderes especiais para obter o que desejar apenas seguindo os métodos que garantem a prosperidade, riquezas, saúde fama e o poder apenas dizendo palavras positivas.

O veneno hoje


Hoje nas igrejas prega-se a fé nas palavras positivas. Obtém-se o que se deseja, apenas seguindo métodos, dizendo palavras positivas e garantindo prosperidade, riquezas saúde, fama, poder. Se você tiver fé, comece a confessar palavras positivas que virá o que você está pedindo. Pois a fé traz coisas a existência. Há poder em suas palavras, peça seu carro que ele virá do além. Deus não disse: "Haja luz e ouve luz, haja uma expansão, haja separação, e assim foi"? Isso é o que estamos ouvindo e lendo. Portanto pode chamar, decretar,determinar, aquilo que você deseja que venha à existência, pois a sua fé traz coisas à existência e suas palavras tem poder.




Em outras palavras estão dizendo: Você é Deus, tudo que Deus quis ele criou pelo poder se suas palavras. Você pode criar o seu mundo de prosperidade, saúde porque você é Deus, comece a determinar decretar. Segundo Hal Lindson (escritor americano), não há poder na fé." O poder está em Jesus. A fé é a chave para apropriarmo-nos de tudo quanto o Senhor já proveu para nós". A fé genuína é uma fé eficaz que produz resultados. Não é uma fé como "força" ou poder, mas fé em Deus. Na realidade quem faz todas as coisas por nós é Jesus, ele disse: "Sem mim nada podeis fazer". Quem trás coisas a existência, não é a fé nas palavras positivas. "O homem não pode receber coisa alguma, se lhe não for dada do céu".



Quem nos concede algo que precisamos é Jesus, através do canal da chave que é a fé. Tiago fala que o poder que a língua e as palavras tem, é o de caluniar, entristecer, vangloriar-se, mentir, exagerar,ensinar doutrinas falsas. não o poder de trazer nada a existência. Nem Tiago se incluía naqueles que falavam somente palavras boas, positivas, corretas. Ele disse:"Se alguém não tropeça em palavras, o tal varão é perfeito". Hoje a estratégia de Satanás continua a mesma. Mas Deus nos elegeu como profeta dele, e enquanto temos oportunidades vamos ensinar, escrever e divulgar a palavra de Deus, para o esclarecimento das pessoas. O diabo não dorme, vamos fazer algo pelo reino de Deus e de suas palavra. Somos atalaia de Deus, para falar contra a mentira maligna, vamos propagar a verdade que liberta. Deus em Cristo vos abençoe.
Texto escrito por
Geziel Silva Costa

sexta-feira, 7 de março de 2008

A confissão positiva


A confissão positiva, achou lugar na mente de muitos cristãos menos desavisados. Até em nossos púlpito ouvimos pregadores dar ênfase naquilo que é positivo. Segundo esses propagadores, nossas palavras tem o mesmo poder que as palavras de Deus. Ele chamou as coisas à existência quando disse: "Haja luz, e houve luz, haja uma expansão, ajuntem-se as águas, produza a terra erva verde, e assim o foi". Isso porque Deus chamou a existência as coisas pela sua fé, e pelo poder de sua palavra o mundo veio a existir. E dizem que somos imagem e semelhança de Deus, portanto nossas palavras tem o mesmo poder. Pronunciando assim palavras positivas, vamos trazer a nós coisas boas. Podemos trazer à existência aquilo que é bom.






Quando surgiu esse movimento?






O fundador do movimento da confissão positiva, Essk William Kenyon, nascido em 24 de Abril de 1867. Ensinava que Jesus era sempre positivo em suas mensagens. Descobrimos que os ensinos de Kenyon são falsos, porque lendo o Novo Testamento, condenaríamos Jesus por trazer sofrimentos a si e aos outros. Veja as palavras negativas de Jesus: "As raposas tem covis, e as aves do céu ninho, mas o filho do homem não tem onde reclinar a cabeça". Será se esse não foi o motivo da pobreza de Jesus? Ele só vivia falando palavras negativas, que trazem as coisas à existência, assim se tornou pobre. As palavras não tem poder? O mesmo deve se dizer de suas frequentes declarações, que convinha padecer e morrer, de certo, isso trouxe sofrimento, apesar de Pedro ter falado palavras positivas. "Tem compaixão de ti, de modo nenhum te acontecerá isso". Se você obtém aquilo que fala, então as numerosas confissões negativas de Cristo trouxeram pobreza, sofrimento e morte não apenas sobre ele, mas sobre todo o mundo também. Não teria sido sua profecia de destruição vindoura de Jerusalém uma confissão negativa que causou essa mesma tragédia em 70 d.C? E as profecias de Jesus e seus discípulos sobre a grande tribulação e o reinado do anticristo e a futura batalha do armagedom também não são confissões negativas que trarão sobre o mundo esses horríveis acontecimentos? E o que dizer de Isaías, Jeremias, Ezequiel e muitos outros profetas do Antigo Testamento que fizeram repetidas confissões negativas? Não há nada na Bíblia que ensine evitar o Anticristo, o Armagedom, a pobreza, o sofrimento e o inferno. Não é pronunciando palavras positivas, confessando positivamente que vamos mudar o quadro do nosso futuro ou do mundo. Não é neste sentido que nossas palavras tem poder. Elas não trazem nada à existência. O capítulo três de Tiago, deixa claro que nossas palavras podem influenciar, mudar atitudes, implantar ideias em outras pessoas, e somos sujeitos até pecar com as palavras.




Kenyon quem apresentou primeiro à igreja os conceitos da fé de hoje, que a "fé é uma confissão", "e o que eu confesso eu possuo", "nós criamos a realidade com as palavras de nossa boca". Os ensinos de Kenyon sobre o poder da palavra e da confissão negativa e positivas, tem influência do profundamente o ministério de muitos obreiros e evangélicos nas Assembleias de Deus e outras denominações. Hoje os crentes são ensinados a chamar sua prosperidade, a decretar sua cura, a determinar sua bênção, a rejeitar os sofrimentos, a pobreza etc. Como se suas palavras confessadas fosse trazer tudo isso para sua vida. Estão esquecendo Deus e sua vontade. O apóstolo Paulo disse: "Tudo posso naquele que me fortalece". O apóstolo do amor disse: "E esta é a confiança que temos nele; que se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade ele nos ouve"(1Jo 5.14). Temos que pedir para Deus, e se for da vontade dele, as coisas acontecerão a nosso favor. Para recebermos qualquer coisa, saúde, bênção e prosperidade temos que guardar os mandamentos e fazer a vontade de Deus. "E qualquer coisa que pedirmos dele receberemos, porque guardamos os seus mandamentos e fazemos o que é agradável à sua vista"(1Jo3.22).




Pregações distorcidas




Paulo pediu a cura do espinho na carne, Deus não atendeu. Porque Paulo não decretou, determinou, rejeitou a enfermidade? Porque não deu umas piruetas falando palavras positivas dizendo que estava curado, e que em seu corpo não havia doenças? A vontade de Deus não era curá-lo. Deus sabe o que é melhor para nós, e nem sempre o melhor é a cura, mesmo que pareça ser, em primeira mão. Ele quer sempre que vivamos dependentes dele. A uns Deus dá prosperidade material em abundância, a outros a porção de cada dia. Ele ensinou-nos na oração do pai nosso a pedir a Deus, a porção de cada dia. Os falsos mestre ensinam que suas riquezas são sinais de que Deus aprova seus ensinos, mas Paulo exorta: "Nada trouxemos para este mundo, e manifesto é que nada podemos levar dele, tendo porém sustento e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes"(1Tm 6.7-8).




Charles S. Braden apresenta este breve resumo de suas características principais. "Três ou quatro palavras praticamente identificam o novo pensamento e os movimentos afins que derivam dele: Saúde ou cura, abundância ou prosperidade, as vezes até riquezas e felicidades". Desviando completamente do que Jesus ensinou, Glória Copeland está envenenando o mundo com seus ensinos declarando: "Se você der um dólar por amor ao evangelho, cem dólares já serão seu. Se der dez dólares receberá mil dólares, dando mil, receberá cem mil dólares, eu sei que você sabe multiplicar, mas quero que veja este fato preto no branco. Dê um avião e receberá cem vezes o valor do avião. Dê um carro e receberás de retorno carros para a vida toda. Em resumo Marcos 10.30 é um ótimo negócio"(Glória Copeland). Vemos que Pedro inspirado pelo Espírito disse: "E por avareza farão de vós negócios com palavras fingidas; sobre os quais já de longo tempo não será tardia a sentença, e sua perdição não dormita"(1Pe 2.3).




Até nas manhas missionárias pregadores incentivam os crentes a contribuírem com o objetivo de enriquecerem. Contribuir com o objetivo de obter cem vezes mais o que ofertaram. Não é errado contribuir, o erro está na forma da predica colocada pelos pregadores. Eu não posso contribuir visando meu próprio lucro. Contribuo porque sou fiel, porque amo a palavra e sou obediente a ela, ela manda ofertar. Porque amo a obra de Deus, e ele nos amou e provou seu amor para comigo. A semente de fé da Glória Copeland tem invadido a predica e o coração de muitos irmãos. Eu planto com o objetivo de receber multiplicado em cem vezes. Sempre existe crentes ansiosos por ouvir a mensagem da prosperidade. Paulo disse que dar todos os meus bens aos pobres, e até mesmo entregar meu corpo para ser queimado, não teria qualquer galardão celestial. A não ser que fosse feito por puro amor. E ainda diz que o amor nada busca para si, e nada espera em troca. O mais importante é o amor e não negócio (1Co 13.1-8).




Qual interesse de nosso amor por Deus?


Embora devamos desejar os dons espirituais, nosso propósito deve ser glorificar, servir a Deus e levar a bênção a outros através de seu amor. Que nossa paixão seja pelo doador dos dons e não pelos dons. David Wilkerson pergunta reflexivamente:


"Quantos de nós o serviríamos se ele não oferecesse nada, além de si mesmo? Nenhuma cura, nenhum sucesso, nenhuma prosperidade, nenhuma bênção material, nenhum milagre, nem sinais nem maravilhas?


O que aconteceria se uma vez mais tivéssemos que aceitar com alegria a pilhagem de nossos bens?


O que aconteceria se em vez de uma vida indolor, sofrêssemos zombaria cruel, apedrejamento, derramamento de sangue e sermos serrados ao meio?


O que aconteceria se em lugar de nossos belos carros e casas, tivéssemos que andar pelos desertos vestidos de peles de ovelhas, escondendo-nos em covas e cavernas?


O que aconteceria se envies da prosperidade estivéssemos empobrecidos, aflitos e atormentados? Se a única coisa boa oferecida a nós fosse Cristo"?


Muitas pessoas estão deixando de lado o primeiro e grande mandamento: "Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento"(Mt 22.37).




Falsos mestres vem a Deus por causa do amor à prosperidade, do sucesso e da saúde. A mais de cem anos atrás, num sermão pregado no tabernáculo metropolitano, em Londres, Charles Spurgeon declarou: "Você pensa que amamos a Deus por aquilo que dele recebemos e por nada além disso? É essa sua visão de amor de um crente por Deus? É assim que falam os ímpios, e esse foi o pensamento de Satanás no caso de Jó, ele disse: "Porventura teme Jó a Deus debalde? Porventura não o cercaste tu de bens a ele e a sua casa e tudo quanto tem"?(Jó 1.9-10). O diabo não entende o verdadeiro amor e a verdadeira afeição; mas os filhos de Deus podes dizer que amas a Deus mesmo que ele os cubra de úlceras, e os coloquem assentados num monturo. Com a ajuda de Deus estamos determinados a amá-lo embora a angústia dez vezes mais pesadas do que as que sofremos hoje, caiam sobre nós.
Escrito por
Geziel Silva Costa

quinta-feira, 6 de março de 2008

O dia Internacional da mulher




A importância da mulher no mundo, foi vista pelo próprio Deus quando disse: "Não é bom que o homem esteja só, farlhe-ie uma adjuntora, companheira". Sem Eva na vida de Adão como a humanidade se multiplicaria? Como Adão descobriria o amor com todos os seus relacionamentos?





Mas ao longo da história humana, a mulher foi deixada de lado, não lhe davam mais o valor devido. Até na história de Israel, as mulheres não tinham um papel de importância como hoje. A Bíblia relata algumas mulheres no Antigo Testamento, como: Sara, Rute, Débora, Ester entre outras, que tiveram um papel fundamental na contribuição para o povo de Israel. Eram mulheres sábias e corajosas. Mas que não tiveram um reconhecimento maior do seu potencial, porque o preconceito não permitia.




Como surgiu o dia internacional da mulher?




Nos Estados Unidos, Nova York em 1857, numa fábrica de tecidos, mulheres se reuniram contra suas condições de trabalho. Foi a primeira vez que se uniram para reivindicar melhorias. Mas a rebelião foi contida com violência contra as mulheres e 129 tecelãs morreram carbonizadas dentro da fábrica. Em 1910 surgiu a idéia de criar uma data para homenagear essas operárias e marcar um dia de luta feminina. Em 1975 a Assembleia Geral das Organizações das Nações Unidas (ONU) decretou o dia 8 de Março como Dia Internacional da Mulher.








O Cristianismo contribuiu muito para a mulher conquistar seu espaço. Hoje na maioria dos países, as mulheres podem votar, estudar, trabalhar e opinar em muitos papéis na sociedade. Temos mulheres no trabalho ocupando altos postos, mesmo assim, estatísticas mostram que muitas delas, ganham menos que os homens fazendo a mesma coisa, e até com mais eficiência. Temos mulheres na política, nas empresas, no trabalho etc. Michelle Bachelet, uma mulher no governo do Chile é uma conquista. Cristina de Kirchner é primeira presidente argentina eleita nas urnas de 29/10/2007. Ângela Merkel escolhida para ser Primeira-Ministra da Alemanha, esta é a primeira vez que uma mulher é escolhida para o cargo de Primeira-Ministra. O cristianismo contribuiu muito, Cristo colocou a mulher onde ela foi feita pra ficar. Após a ressurreição de Jesus, foram as primeiras a encontrar Jesus.





A Bíblia e a Mulher




A Bíblia fala da mulher virtuosa, que edifica sua própria casa. Salomão fala da beleza e da formosura da mulher. Ela é diferente do homem. O corpo, a sensibilidade, os sentimentos, é uma fêmea que atrai o macho. A mulher foi feita para o homem dentro do casamento legal. Isso é algo bom, bonito e santo criado por Deus. O mesmo Deus que fez os órgãos genitais masculinos, fez o feminino. O mesmo Deus que criou o cérebro, criou os instintos para o sexo. É por isto que a mulher chama a atenção do homem. A presença dela, faz nos tornar poetas, filósofos, ela nos inspira. Salomão reconhecendo esta dádiva de Deus, disse: "Quem acha uma mulher, acha uma coisa boa". Adão quando acordou e viu Eva, disse: "Essa é carne da minha carne e ossos dos meus ossos. Será chamada varoa porque do varão foi tomada". Foi inspirado na poesia, porque diante de si estava a sua mulher.







O que seria do mundo sem a presença da mulher? O que seria da criança sem a mãe?
Do noivo sem a noiva? O namorado sem a namorada? Do esposo sem a esposa? Certamente o mundo seria uma lacuna. Mas que os homens possam ser agradecidos pela presença da mulher. Que os namorados, noivos e esposos possam valorizar sua companheira, e colocar no lugar devido. Ao seu lado para ser amada e protegida. No mundo de hoje, quantas mulheres são maltratadas, violentadas, desprezadas e vivem sem direitos. De acordo com a ONU, 25% das brasileiras são vitimas constantes de violência no lar. Em apenas 2% dos casos, o agressor é punido e, em cerca de 70%, esse agressor é o marido ou companheiro. Países há que o único direito da mulher é não ter direito. Até mesmo os seus órgãos genitais são tirados para não terem prazer. Oramos a Deus para que essas mulheres sejam favorecidas com o amor e a liberdade.




Parabéns a todas as mulheres pois são vencedoras. Não é somente Michelle Bachelet, Cristina Kirchner, Ângela Merkel e muitas outras que poderia citar, que são vencedoras. Você, mulher é vencedora, porque em você está as condições, para o desenvolvimento da vida. Deus fez você diferente, bela, cheia de admirações, amor e graça. Que cada vez mais os homens possam parar para ouvir a mulher. Deus fez a mulher para ser participativa no mundo dos homens. Ela é uma ajudadora, adjuntora e companheira. Que a cada manhã as mulheres acordem mais felizes e os homens mais gratos por elas.




Feliz dia da mulher, a todas as mulheres.
Geziel Silva Costa












quarta-feira, 5 de março de 2008

O Reino de Deus


O reino de Deus (ou dos céus), não é somente a dispensação do milênio no futuro, após a grande tribulação. o reino de Deus é toda a soberania e poder de Deus, contra a destruição do sistema mundano e do Diabo.


O reino de Deus começa em nossos corações. "Se alguém me ama guardará a minha palavra, e meu pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada" ( Jo 14.23). Quando a trindade mora em nossos corações, obviamente passa a reinar em nossas vidas. É em função disso que o apóstolo Paulo escreve aos gálatas dizendo: "E vivo não mas eu, mas Cristo vive em mim..." (Gl 2.20). Cristo habita em nós e se torna o manacial de toda a nossa vida e o centro de todos os nossos pensamentos, palavras e ações. Então as obras da carne não mais reinam em nossos corações. O fruto do Espírito agora tem prioridade em nossa vida. "Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?" (1Co 3.16). O Espírito começa a nos guiar, os frutos vão sendo produzidos. A novidade de vida do cristão é a influência do Espírito de Deus em sua vida. "Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus"(Rm 8.14). Isto é o reino de Deus em nossa vida.


O reino de Deus destrói o reino de Satanás


Jesus disse a seus discípulos:"Em verdade vos digo que, dos que aqui estão, alguns há que não provarão a morte sem que vejam a chegada do reino de Deus com poder" (Mc 9.1). Os discípulos iriam presenciar o reino de Deus com poder. Não era o poder matereial nem o da força física. "Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas" (Co 10.4). Após Jesus multiplicar os pães e os peixes, a multidão queria fazê-lo rei, achando que o seu reino era político. "Vendo, pois aqueles homens o milagre que Jesus tinha feito, diziam: "Este é verdadeiramente o profeta que deveria vir ao mundo, sabendo, pois Jesus que haviam de vir arrebatá-lo para fazerem rei, tornou a retirar-se ele só, para o monte"(Jo 18.36). Mas o reino de que Jesus veio dominar é no mundo espiritual. Tirar as pessoas do reino das trevas, "para abrires os olhos e das trevas os converterem à luz e do poder de satanás a Deus, a fim de que recebam a remissão dos pecados e sorte entre os santificados pela fé em mim" (At 26.18). Os discípulos presenciaram a chegada do reino de Deus quando viram Jesus expulsar demônios e salvar almas como ele havia dito."Mas se eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, é consequentemente chegado a vós o reino de Deus"(Mt 12.28). Eles viram Jesus livrar a humanidade das forças demoníacas, também receberam poder de curar as enfermidades e expulsar os demônios (Mc 1.34,39 35-15). O poder de Deus vai recuando o domínio de satanás, e o reino de Deus vai se implantando.


O Reino de Deus prospera


Jesus ensinando o conhecido "sermão do monte", disse: "Não ajunteis tesouro na terra, onde os ladrões minam e roubam. Mas ajuntais tesouros no céu, onde nem a traça e nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam, nem roubam" (Mt 6.19-20). Claro que ele não está querendo dizer que devemos abrir mão dos nossos afazeres no dia-a-dia. Também não está dizendo que devemos nos preocupar com nossas necessidades financeiras. Mas que a nossa prioridade não seja a busca desenfreada pelas coisas materias. "mas os que querem ser ricos caem em tentação e em laço, que submergem os homens na perdição e ruína"(1Tm 6.9). Ele condena os ricos? Não, mas através de Paulo ele "manda os ricos deste mundo que não sejam altivos nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos" (Mt 6.25-26). "E quanto ao vestuário, porque andais solícitos? Não andeis, pois inquietos, dizendo: Que comeremos ou que beberemos ou com que nos vestiremos?"(Mt 6.28-31). Deus sabe que precisamos de todas essas coisas "mas buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas"(Mt 6.33). Aqui está a prosperidade do cristão que é fiel para com Deus, que tem sua prioridade no reino de Deus. Ele tem essas coisas acrescentadas à sua vida. Vem automaticamente à medida que nos empenhamos em ser contribuinte no reino. Aí vem o dinheiro para as despesas, alimentação, vestimentas etc.


O cristão e o reino


O crente fiel tem forte desejo de contribuir com o reino de Deus. Ele dá mais prioridade ao reino que às coisas mais valiosas desta vida. Tais crentes movidos por Deus, resolveram eliminar as atitudes e práticas pecaminosas e imorais que o mundo oferece, passando a seguir a Jesus. Porque quem o segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida. Também passa a guardar e obedecer as escrituras sagradas. O crente fiel não está preocupado com o que vai lhe acontecer, devido a fidelidade devotada a Deus e a sua palavra. Ele se esforça para desfrutar de toda s as bençãos, também se arma com toda a armadura de Deus, veste a couraça da justiça, cinge os lombos com a verdade e pés calçados no evangelho da paz.
Escrito por mim:
Geziel Silva Costa

segunda-feira, 3 de março de 2008

A humanidade precisa de Jesus


"Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve "(Mt 11.28-30 RA).




A sociedade moderna, está enferma. Vivemos em um mundo doentio, neurótico, oprimido pelas doenças patológicas. A crise nos lares, causam as separações de casais, os filhos se tornam violentos, as drogas estão fazendo parte da vida das pessoas. Os meios de comunicação invertem os valores morais, ditando s regras para uma sociedade corrompida.




A igreja é o contra-ponto, é a grande resposta, é a luz que deve iluminar o caminho das pessoas que vivem à margem. Para isso ela deve ter empatia para com a sociedade, deve tomar as dores desta, e mostrar a solução dos problemas. Isso é possível à medida que vamos testemunhando o que éramos, de onde saímos, e o que somos hoje. Assim provocamos esperança para um mundo desesperado e aflito. A Bíblia tem a solução para todos os problemas:




No sermão da montanha em Mateus cinco, Jesus deu uma aula de paz interior. Se seguirmos as palavras de Jesus encontraremos cura para as doenças emocionais e as doenças físicas. O objetivo de Jesus é salvar. Ele quer salvar do pecado, das doenças psicossomáticas, das doenças físicas, e de tudo que trás desconforto para o ser humano.




A igreja é a resposta para o mundo. Na igreja é lugar de refrigério. "Arrependei-vos, pois, e convertei-vois para serem cancelados os vossos pecados, a fim de que, da presença do Senhor, venham tempos de refrigério" ( At 3.19-20 RA).




Paulo nas suas cartas mostra o verdadeiro manual de curas divinas




Na carta aos romanos ele fala da opressão do pecado, da angústia, e do resultado que ele causa no ser humano. Paulo diz que a vitória sobre ele, é através da fé no Senhor Jesus Cristo.


Aos coríntios deixa patente a fragilidade espiritual e emocional. E quando o indivíduo está frágil, precisa de ajuda, então Paulo fala do amor, da esperança e da fé.


A mediocridade é vista na carta aos Gálatas, uma vida medíocre segundo Paulo, precisa da libertação do evangelho e a superação vem com o Fruto do Espírito.


A igreja é vista na carta aos Efésios, como um corpo unido, para vencer as ansiedades da vida.


Já para os Filipenses Paulo trabalha a terapia da alegria que é o segredo da vitória.


A bênção de Deus é mostrada em Colossenses, através do perdão de Cristo, somos abençoados, porque Cristo nos perdoou.


De acordo com Paulo em Tessalonicenses, a Igreja é esperançosa. Somos a única esperança para o mundo.


O jugo do Senhor é leve, porque é ele quem está no comando. O apóstolo João escreve: "Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; ora, os seus mandamentos não são penosos" (1Jo 5.3).




A missão da igreja




Nossa missão é fazer o mundo enxergar a verdade de Deus através do evangelho. A Luz que é Jesus, brilha na vida da igreja. Jesus é a luz, a igreja o suporte para esta luz. "E no meio dos candeeiros, um semelhante ao filho do homem" (Ap 1.13). O castiçal ou candeeiro, era o suporte para a lâmpada, que brilhava constantemente no tabernáculo. A igreja é o suporte, onde Cristo brilha nesse mundo de trevas. Ele é a luz. "Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida" (Jo 8.12). O castiçal era de ouro puro, batido, o metal de melhor valor. O valor da igreja é de um alto preço. Comprado não com prata ou ouro, mas com o precioso sangue de Jesus.(1 Pe 1.18). Fomos escolhidos para brilhar, para levar a luz aos cegos. A igreja tem a luz porque tem a palavra de Deus no coração. "Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos" (Sl 119.105).
Escrito por
Geziel Silva Costa